A Rival

Ela ficou nervosa quando surgiu um novo nome, um novo rosto. Como descobrir sua real intenção? Não podia deixar transparecer o que sentia – não tinha coragem de se declarar. Mas não deixaria que ele atravessasse seu caminho. Então usa de uma artimanha que há muito tempo não usava – mostra-se interessada. Assim saberia, de fato, o que existe por detrás de tudo aquilo.

Assim ela o fez. Mostrou-se inclinada a uma possível aproximação.

Aliviada com a resposta obtida, pode continuar amando o seu segredo e pensa: ela será minha e demais ninguém.

Nenhum homem conseguiu aproximar-se de verdade da outra.

Paulo Francisco

5 comentários:

lis disse...

Egoísmo natural que se dissipa quando o objeto amado não deixa mais dúvidas.

frô disse...

Interessantíssimo... humaníssimo...
Mas admito que fiquei sem saber se as confusões ela/ele/ela foram propositais... seriam?

Marly de Bastos disse...

Ele queria se meter entre as duas? Uma se lança para preservar a outra que ela ama e que quer somente para ela...
Se é que entendi kkkkkkkkkkkkkkkkkkk nesse horário ando meio lerdinha já!
bjkas doces e um bom fim de semana Paulo.

✿ chica disse...

Puxa, que força ,heim????Lindo! abração,chica

Dalinha Catunda disse...

Olá Paulo,
Texto curto para uma longa reflexão.
Os amores contidos, velados e as manhas para que a esperança permaneça.
Meu abraço