Compaixão

Fiquei chateado em não ter atendido ao pedido do moleque. Ele me pediu dinheiro para comer. Menino forte, aparentando doze anos. Pensei: não é pra comer, deve ser pra outra coisa. Mas quando levantei para ir ao banheiro, lá estava ele, no fundo do restaurante, com a cara dentro do prato, comendo ferozmente. Uma alma melhor que a minha saciou a vontade do moleque. Ao levantar-me  pra ir embora, olhei para o senhor de alma melhor que a minha e agradeci. 
Ele não entendeu nada.

Paulo Francisco

Um comentário:

Paula Barros disse...

Eu geralmente erro em julgar que aquele que está pedindo para comer não vai comer, vai comprar drogas. Uma vez me propus a não dar o dinheiro e comprar o lanche.
beijo grande (hoje vou deixar um beijo grande, em retribuição aos tantos que me deixa. kkk)