Companheiros

Não faço nada quando chego em casa enquanto não encontro os meus amigos. Eu sou assim. Dano a procurá-los. Não tiro a mochila das costas nem os sapatos, vou direto ao encontro deles. Olho para um, flerto com outro - volúvel? Eu sei. Fico sempre indeciso, mas acabo escolhendo o mais próximo da minha necessidade momentânea - certo egoísmo? Com certeza. Geralmente, o escolhido é aquele que vai me dizer o que eu quero ouvir – unilateral? Também. Depois da escolha, aí sim, coloco a bolsa no lugar, tiro os sapatos, afrouxo o cinto e ali, naquele sofá vermelho, converso com eles ou simplesmente os ouço. Eles são ótimos.
Hoje, quero agradecer a esses companheiros invisíveis que estão sempre à minha espera. Obrigado: Chico, Caetano, Paulinho, Gil , Oswaldo, Edu, Tom, João,Vinicius, Ney, Zeca, Djavan, Jorge, Luis, Martinho, Nora, Maysa, Bethânia, Nana, Gal, Simone, Adriana, Zélia, Rita, Ivone, Elis, Maria, Leci, Ana e tantos outros, obrigado... obrigado por existirem.

Adoro os meus discos!


Paulo Francisco

3 comentários:

lis disse...

E eu adoro voce com seus textos singulares!
obrigada _ só me faz bem!

Milene Lima disse...

Fiquei em dúvida quanto à identidade de alguns (Luis... Gonzaga? Zeca... Baleiro ou Pagodinho? Seja qual for a resposta, a verdade é que teus amigos são incríveis e me faço valer da companhia da maioria deles, também.

Beijo!

Rô... disse...

oi Paulo,

uma seleção incrível de amigos,
bom de ver essa musicalidade fluir,inspiradoras amizades...

beijinhos