Elas

Katarina chorou na festa de seu primeiro aniversário – teve medo do palhaço. Ela chorou em sua festa de doze anos – teve medo de ser mocinha.  Também chorou quando debutou – teve medo de não ter um príncipe. Chorou, copiosamente, em seu casamento - teve medo de tanta felicidade. Katarina ainda chora – chora pra regar a alma. Ela tem medo de secar.

Margareth, sempre fora atirada pra vida. Nunca teve medo de nada. Enfrentava tudo a unha. Mas quando Margareth deu a luz, ela chorou e teve medo do mundo.

Mônica, mulher negra, alta e esportiva. Gosta de vôlei e sexo. Não necessariamente nessa ordem. Casou-se algumas vezes e perdera a conta dos namorados que já teve. Mônica, uma negra alta que chega às alturas por uma bola e por um beijo.

Verônica, mulher miúda e intrépida. Cresceu quase dois metros pra dizer cara-a-cara ao homem que mexeu com ela na rua. Verônica cresce diante do atrevimento alheio.


Paulo Francisco

2 comentários:

Milene Lima disse...

Quão bonitas fizestes as figuras delas.

Katarina jamais perdeu o medo?

Um beijo.

lis disse...

O universo feminino e suas nuances sentimentais.
Sao todas belas!