Eu sempre falei palavrão

Eu sempre falei palavrão. Quando criança, criança mesmo, com uns sete anos de idade, mais ou menos, já sabia todos os palavrões existentes. Eles ficavam na minha cabeça, nos meus pensamentos, na minha vontade.
Nunca escutei um palavrão saindo da boca de minha mãe e nunca ouvi um palavrão dito pelo meu pai. Então, como tão pequeno sabia tantos palavrões e seus significados? Simples: eu era moleque-de-rua. E continuei sendo moleque de rua por muito tempo. E era na rua que sentia as asas da liberdade. Voava alto em vocabulários chulos e poderosos.
Mas este fato de não ouvir e não poder falar nenhum tipo de palavra chula em casa me deu o equilíbrio em vocalizar de acordo com o ambiente em que eu estava ou estou, não porque eu ache que palavrão seja uma coisa feia, muito pelo contrário, às vezes, o palavrão pode vir carregado de emoção, seja na amizade ou no amor.
Não dá pra ser politicamente correto, por exemplo numa transa, aliás, ser politicamente correto numa transa é rechear entre beijos e mordidas, palavras, palavrinhas obscenas e, usando o jargão de uma amiga blogueira – a Margoh, digo: Adooooooooro!.
Quer saber!? Desonesto é transar no silêncio e virar de lado depois do ato.
Falar a mulher amada, ou ouvir dela, palavras um tanto quanto misturadas às palavras de amor é como pimenta numa peixada; é a cereja da torta - dá sabor e cor.
Hoje, eu ouço palavrão em qualquer lugar, usam o palavrão como vírgula, reticência – perdeu a graça infanto-juvenil da minha época de rebelde sem causa. Não que eu não os diga mais, ao contrário, faço uso deles em diversas ocasiões. Mas me incomoda quando ouço, por exemplo, um palavrão fora do contexto, dito simplesmente por dizer, sem nenhuma necessidade. Neste caso ele deixa de ser uma obra de arte num canto especial da sala para ser uma peça de louça comprada numa loja de produtos chineses.
Sinto muito... Falo obscenidades, concretizo em palavras os meus pensamentos e desejos. E daí? Dizem que a feiúra está na cabeça de quem escuta.


Paulo Francisco

Um comentário:

lis disse...

Falou... tá falado !
rs
gosto de tudo que escreve_quanto ao falar um dia vou gostar de ouvir .