Misteriosas

Corri à sacada para observar as maritacas em algazarras no meu telhado. Adoro vê-las em voos rápidos e escandalosos. Saíram do telhado e foram para a copa da árvore do outro lado da rua. Abri um sorriso. As aves me fazem sorrir. Fico fascinado com o voo das aves de rapina que enfeitam o meu céu. Aqui de minha rede vejo-as em voos lentos, tranquilos – são donas, certamente do pedaço.

Uns tempos atrás, quando minhas noites eram regradas de cervejas e papos fiados, subia, ao voltar para casa, uma ladeira íngreme que encurtava o caminho até o meu doce lar. Na metade do percurso, já totalmente sem ar, parava. Numa dessas paradas encontrei uma coruja, no muro de uma casa, me olhando.

Fiquei ali observando a olhuda. Sempre que subia a ladeira, quase todos os dias, lá estava ela a me encarar. Batizei-a de Professora. Nunca entendi e nunca procurei saber, porque o símbolo do magistério é uma coruja. Será que é porque a ave tem olhos grandes e enxerga no escuro? Ou será por que assusta? (brincadeira!)

Gostava de vê-la pulando pelo muro, como se quisesse me acompanhar. Certa noite ela não estava mais lá – fiquei triste, já tinha me acostumado com a olhuda sem pescoço.

É sempre assim, quando vou me acostumando com elas, elas se afastam, às vezes em silêncio como a Professora, outras vezes em algazarra como as minhas visitantes.

Tudo bem... continuo aqui na minha rede, olhando pro céu, vendo as aves de rapina de um lado pro outro à procura de uma vitima; continuo aqui neste vai e vem provocado, só esperando, só esperando...



Paulo Francisco

2 comentários:

nelma ladeira disse...

As vezes não!!
Você acha que se afastou,mas está bem pertinho de você...Também esperando...Beijinhos.

Ivone disse...

Que lindo post, reflexivo, gosto das corujas, elas são lindas, sim, porque não?!
Dizem que as pessoas que não veem as feiuras das pessoas são "corujas", quem sabe o símbolo do magistério seja exatamente isso, os professores nunca veem feiuras em seus alunos,elas amam incondicionalmente esses que dependem delas para decidirem seus futuros.
Lindo, amei ler aqui!
Abraços!