Além de meus olhos

O que não era meu, aos meus olhos parava. Olhava admirado o que não estava ao meu alcance; achava lindas as cores vivas das outras casas e que na minha ainda não tinha sido pintada pelas mãos de quem cabia. O branco é bonito, mas sempre preferi o azul.

Namorava pela grade, do lado de fora, os jardins das casas bonitas de dois andares existentes em minha rua – chamavam-nas, na época, de ¨duplex¨. ¨Os ricos moram lᨠdizíamos sorrindo e já correndo depois de tocar clandestinamente as sua campainhas.

O meu melhor amigo tinha uma casa simples. O meu segundo melhor amigo tinha uma casa simples. O meu terceiro melhor amigo tinha uma casa simples. O vigésimo quinto melhor amigo tinha uma casa simples. Eu morava numa casa simples – uma casa ¨simplex¨. As nossas campainhas não eram tocadas e sim gritadas pelo nome de quem queríamos falar.

Nunca soube como era ser um menino morador de uma casa de dois andares e com um imenso jardim à sua frente – eles não se misturavam com gente como a gente. Olhavam-nos por cima, sentados em suas sacadas e varandas enfeitadas.

As nossas sacadas eram as mangueiras, goiabeiras, caramboleiras e tantas outras. Avistávamos o horizonte comendo os frutos da época. Lambuzávamo-nos em sonhos escorridos.

Éramos um bando de pés cascorentos  e de bocas sujas que vadiavam pelas ruas e campos, com sacos de bolas-de-gudes, pipas ou pião de madeira, dependendo da ordem do dia. O vento era o nosso caminho.

Não tínhamos os melhores sapatos, nem precisávamos, tínhamos asas em nossos pés que nos levavam para junto dos pássaros; não tínhamos as melhores roupas, nem precisávamos, tínhamos os nossos peitos nus para amparar o vento e refletir o sol.

Não nos protegíamos da chuva em varandas enfeitadas com mesas e cadeiras de ferro pintado de branco; éramos os próprios pingos respingando o mundo – éramos a sua chuva de todos os dias em seus caminhos secos e sombrios.

O menino branquinho, impecavelmente vestido, ficava nos olhando pela grade de seu portão; a menina de cabelos cacheados, na sacada de seu quarto, nos olhava assustada, com sua boneca enfeitada em suas mãos; no interior da sala, um casal de frente para a televisão – Família perfeita, nenhuma confusão.

O que não era meu, a minha alma pertencia. Desejava intimamente as cores do mundo.

Calava-me diante da incerteza e sorria com o que restava perante meus olhos. O sorriso é o melhor remédio para as dores embutidas.  Resguardava em silêncio o que desejava em sonhos.

Éramos construtores de sonhos e reciclávamos os nossos dias – transformávamos o nada em tudo.  E tudo era divino e maravilhoso como o chocolate comprado aos domingos.

Sempre que passava pela rua enfeitada de casas bonitas, eu sorria para aquele garoto branquinho que me observava atrás das grades do portão -  ele retribuía-me com um tímido aceno.

Estava indo para o meu compromisso de domingo. Ele, eu não sabia o que fazia às tardes dominicais. Nunca o vi no cinema, nunca o vi no circo, ou brincando com um amigo sequer.

Talvez ele fosse uma criação; uma coisa imaginada, parada, aos meus olhos de menino.



Paulo Francisco

3 comentários:

nelma ladeira disse...

Oi Paulo.
Você não tinha uma casa *duplex*
Mas era muito mais feliz.
Você fazia tudo que uma criança gosta!E eles nem infância tiveram.
Na verdade o dinheiro não trás felicidade.
Boa noite! Beijinhos.

Marli Soares Borges disse...

Lindo o conto, um paralelo perfeito, um "não há diálogo entre nós" que também me conduziu ao passado, as casas simplex e as brincadeiras de roda! Ah, saudades! Boas saudades, culpa desse conto tão bacana! Bjs

Paula Barros disse...

E na simplicidade uma vida cheia de vida, e de felicidade.
Gostei muito desta frase: Éramos construtores de sonhos e reciclávamos os nossos dias – transformávamos o nada em tudo.

Uma boa estratégia de viver para todas as idades.
beijo