Em cores

Eu estava sempre rabiscando algo. Adorava desenhar o que vinha em minha cabeça. Gostava, também, de misturar as cores e descobri-las em manchas pingadas nas sobras de papel de pão. Não fazia pipa monocromática – todas eram coloridas e assinadas por mim.

Mais tarde, descobri as manchas em camisetas brancas, tingia em panelas emprestadas da cozinha de casa – sobre protestos, claro, de todos. Eles protestavam, eu abstraía.

Depois, descobri o pôr-do-sol, as cores psicodélicas e o vermelho intenso. Nunca gostei muito do verde oliva, mas curtia os outros verdes, naturalmente.

Quando o meu filho nasceu,  emprestei-lhe a minha cor preferida – o azul. Mesmo ele ficando lindo de vermelho, era com o azul que eu vestia sua alma.

Quando a vi de preto, achei-a uma mulher interessante, mas foi com um vestido azul da Pérsia que a notei e me apaixonei – nunca me esqueci daquela cena: ela no alto da escada e eu parado no primeiro degrau, olhando para suas pernas cobertas por meias-finas pretas. Mas foi o azul, aquele azul da Pérsia, que me hipnotizou. Não resisti e fiquei preso àquela imagem por muito tempo.

Imagens? Tenho algumas cravadas em meu coração.Umas guardadas com carinho, outras que insistem em ficar mesmo eu as dando ordem de despejo – são imagens teimosas e inconvenientes que invadiram meu espaço e criam fantasmas para me assustar.

Levei um susto quando a vi pela primeira vez. Ela não era o que eu imaginara. Mas insisti em tê-la para sabê-la em cores. Mesmo ela apresentando, externamente, uma casca quitinosa e quebradiça, acreditava na possibilidade de possíveis matizes. Péssima ideia. Suas cores não passavam do amarelo da palha seca, guardada para dias escassos.

Sempre pensei que os loucos fossem coloridos, mas se são, ela, então, era a exceção. Nunca fiquei tão perto da esquizofrenia como naquele curto espaço de tempo de convívio – quase enlouqueci também. Escapei por pouco.

Não me transforme no que eu não quero ser.

Quando meu pai descobriu que o meu time de futebol não era o mesmo que o dele, correu até a loja e comprou uma camisa de seu time, acreditando que eu mudaria o que em mim já estava determinado. O que ele conseguiu foi adiantar sentimentos que eu deveria descobrir bem mais tarde em minha vida. Seu desespero, minha felicidade.

Não me tragam flores quando os meus pés estão cobertos de espinhos.

Como eu teria que ser naquele instante pra que ela gostasse de mim? Sempre achava que tinha que ser diferente do que era pra agradar a quem eu amava. Colecionei decepções na lapela de meu surrado paletó. Demorei pra aprender que não tinha que vestir o que não me cabia.

Não queira me cobrir quando a nudez é a minha melhor roupa.

Até hoje rabisco o que vem em minha cabeça. Meus desenhos pontilhados registram imagens macroscópicas que meus olhos só alcançam através da lente do mundo.

Ainda não desenhei o meu autorretrato – falta-me pontilhar alguns caminhos.




Paulo Francisco

Um comentário:

Paula Barros disse...

E muitos caminhos ainda serão pontilhados e percorridos.
Algumas imagens lindas e inusitadas surgirão, outras imagens retornarão, mas o caminho será sempre um contínuo de descobertas.
beijo pontilhado de admiração.