Encontro

Encontro ( I )





Quando ela apareceu, dirigindo-se a mim, não acreditei. Era uma miragem, a pílula que tomei tinha algo a mais além da composição real. Fixei os meus olhos nos dela e pude notar a agitação em seus cílios. Eles abriam e fechavam como uma janela ao vento, mostrando aos poucos os seus olhos claros, claros? Agora já não sei mais a sua cor. Azul, verde, cinza? Talvez todas as cores. Sua pele sim; era branca e fez-me pensar em sua nudez em porcelana como a delicadeza de uma peça chinesa. Senti o desejo de sabê-la. Será que ela era moça?

Ela falando comigo como se já me conhecesse de muito e, eu ali, olhando seus dentes, sua boca carnuda, sua face e, pensando de onde ela saíra. Será que ela caiu do céu? Pouco falei, preferi ouvir dividindo minha audição com os meus olhos. Escuto melhor com eles. Minha retina ouvia sua voz; ouvia sua boca; ouvia sua pele; ouvia seu colo e parte de seus seios à mostra. Meus olhos ouviam os meus desejos – desejos em botões de rosas; rosas pálidas e delicadas. Será que ela é triste? – continuei me perguntando.

Pouco falei. Ela falou por nós. Sua espontaneidade em dizer-me coisas, agradava-me – não precisei perguntar, as respostas vinham antes das perguntas. Os meus pensamentos mais secretos ficaram em respostas gestuais, no balanço de suas mãos, dos cabelos claros que brilhavam com invasão dos raios do sol, dos seios graúdos e obedientes numa respiração palpitante.

Tudo começou quando os nossos olhos se encontraram numa manhã quente e brilhante. Certamente a minha timidez impediria qualquer movimento em sua direção. Não precisei – ela era uma visionária. Falando com o sorriso, comentou sobre aquela manhã abafada e, acrescentou dizendo de sua preferência em estar naquele local logo naquele momento. A culpa era do sol invernal que se tornava insuportavelmente forte à tarde. Eu concordei com um simples sim. A minha cara de exausto já dizia tudo. Por outro lado, concordaria com tudo que falasse naquele momento. Estava paralisado pela sua espontaneidade e seu gracejo. Estava totalmente atônito diante daquela mulher de pele branca; de pele de porcelana chinesa. Será que ela era uma pintura?

Muito raro alguém puxar conversa comigo – estou sempre com os olhos enterrados num livro. Mas nesta manhã solar, os anjos não me permitiram uma leitura isolada. Eles estavam de plantão e tocaram cornetas ao meu desejo - e ainda falta muito para o meu aniversário. Como desejei nestes meus momentos de pura distração ser acordado por uma visão como a dela. Será que ela caiu do céu?








Olhos de mulher ( II )




Traduzo o seu silêncio. Seus olhos sempre me dizem algo inédito. Sempre recorro a eles nas minhas dúvidas imediatas. Não preciso de nenhum som a não ser o suave toque de suas pestanas, para obter uma resposta desejada. Tenho-os por lua e o sol. Aqueço-me com os seus raios refletidos em cores novas. À noite, sou bronzeado pelas luzes lunares que eles radiam em meu corpo. Sou dependente dos seus olhos; sou dependente de suas meninas. Vejo-me em sua retina.

Quando encontro um cílio em sua face, sorrio de satisfação, guardo-o em minha coleção de cílios seus. Não tento correr o risco de disputar um pedido em nossos dedos. Prefiro guardá-los no meu silêncio. Tenho uma coleção de cílios seus. Não os guardo em meus seios porque não os tenho. Guardo-os na caixa de meu peito. Tenho uma coleção de cílios seus em mim.

Quando agitada, fico ali olhando para as batidas de suas pestanas, perco-me no ar. Fico silencioso, imóvel - como o gato desejando o passarinho - olhando-os na esperança de um deles cair ao vento.

Quando os seus olhos de atriz me dizem adeus. Quando refletem em outros corpos; quando banham outras peles. Quando seus olhos de atriz, por um triz, deixam-me aqui. Seguem em outros caminhos; quando estão em outra dimensão, quando fecham as venezianas e me deixam na penumbra, quando me deixam parado no tempo – em vertigem - quando eles me abandonam por um esquecimento. Eu, em absoluto desejo, vigio o seu sono, tentando neste momento, traduzir o seu silêncio.




Dia-Sim ( III)






Sempre há esperança. Acordei no bode. Corpo pesado - devo ter guerreado a noite toda. Achei que ficaria em minha cama lamentando o dia de ontem; lamentando o dia de hoje; lamentando o dia de amanhã. Que nada! Recebi o telefonema carinhoso. A campanhinha tocou me trazendo uma surpresa, o telefone tocou de novo, de novo, a campainha soou mais uma vez, o telefone continuou a tocar.

Tem dias que a gente não sabe de nada. Olha lá pra fora e acha que vai chover, mas aí vem o vento amigo e carrega consigo as nuvens chumbadas. Permitindo o aparecimento do astro rei.

Tem dias que a fada deixa de ser fada, transforma-se em feiticeira; que o espelho plano fica côncavo; que o que dissemos é interpretado de maneira errada. Tem dia que tudo pode acontecer: o bode pode sentar em sua sala. Em vez de um beijo vem um tapa.

Mas sempre há esperança.

A feiticeira se transforma em fada; o espelho côncavo é necessário para enxergarmos melhor; o que foi dito foi bem interpretado e assimilado, o tapa parou no ar e o beijo que recebemos não é de adeus.

Sei que sua partida para o mar é uma opção de vida. Vou continuar aqui, por enquanto, em minhas montanhas – também é uma opção de vida.

Aí, tu tens as gaivotas nervosas – aqui, eu tenho as maritacas agitadas. Teu vento cheira a brisa – o meu, a margaridas. Teu sol adormece no oceano – o meu, por trás das montanhas. Banhas-te em águas marinhas – eu, em águas dulcícolas. Você é o mar – eu sou o ar. Meu vento te faz ondas – tuas ondas brincam comigo. Hoje acordei com vontade do mar. Com vontade de navegar em teu mar. Subir em tuas ondas e me deixar levar. Hoje, acordei com uma vontade de teu olhar; de mergulhar neste azul dos olhos teus. Tem dias que a gente acha que vai chover. Tomara, tomara que chova você.

Sempre há esperança.

O medo não se transforma em despedida. O adeus é só por hoje. A alma não é feita de éter. A canção tem o seu nome. E não é perigoso a gente ser feliz.




O seu nome ( IV )





Não sabíamos muito do outro, mas o que sabíamos era o suficiente para dizermos até amanhã.Cheguei a minha casa e, ainda sem acreditar no que acontecera, caí em minha cama que continuava desarrumada desde a noite passada. Dormi e quando abri os olhos, o relógio da mesa de cabeceira indicava dezessete horas. Perdi a hora. Peguei o telefone e liguei para dizer que me atrasaria.Levantei e fui direto tomar uma ducha quente. Deixei o vapor invadir todo o banheiro; deixei a água cair em meus ombros e em minhas costas que ardiam parcialmente.Com os olhos fechados e os braços apoiados no azulejo, escondendo o meu rosto, como se estivesse contando até vinte para depois procurar quem estivesse escondido, ali fiquei por um bom tempo, sentindo a água escorrer pelo meu corpo. Será que é perigoso a gente ser feliz?Vesti o roupão branco que comprara na última viagem em férias e fui para a cozinha fazer um café forte. Tomei-o sem açúcar. Peguei o primeiro jeans no armário, e a primeira camiseta branca na gaveta. Enfiei os pés no tênis e fui para o trabalho.Fiz o mínimo necessário. Dividi o tempo em duas metades: o antes e o depois


Antes de desligar o computador, procurei o meu pen drive na bagunça de minha mochila. Enfiei na entrada frontal da máquina e busquei uma música do Chico. Transferi-a para o aparelhinho, desliguei o computador, apaguei as luzes, tranquei a porta e segui.Já na calçada, peguei um cigarro no bolso e, a cada tragada, uma imagem, uma vontade, um sorriso. Aprendi a não andar com os pés no chão.

Tem gente que nos faz bem. Sabe nos ler em braile - nas pontas dos dedos.

Tem gente que não tem medo de ser feliz - acende a luz para ver os nossos olhos.

Tem gente que nos tatua na alma – difícil de esquecer.

Tem gente que nos obriga a pedir bis.

Cheguei a minha casa conectei o pen drive no aparelho e ouvi Beatriz.






Paulo Francisco







2 comentários:

nelma ladeira disse...

Oi que lindo!
Li várias vezes,eu não gosto de grandes textos,mas os seu eu consigo ler várias,e várias vezes.
Sem palavras adorei.
Boa noite Paulo,aliás bom dia!
Beijinhos.

lis disse...

Gosto da prosa, Paulo
dos encontros aos dias sim dias não todos falam comigo de modo gostoso,
abraços