Idas e vindas





Eu não tinha certeza da vida. Não sabia o que viria no amanhã, tentava esquecer o ontem e lutava contra o hoje. O que  tinha feito pra viver daquele jeito,  não sabia e se sabia, não queria pensar nem tampouco voltar atrás de uma decisão que achava certa. Eu tinha a idade da teimosia.
Minha vida era comum, como a vida de qualquer outra pessoa naquele meio – eu era só mais um diante do cinza. Mas tinha fome, tinha sede, tinha medo e os outros não.  Não entendia. Gritava pra Deus como se Ele fosse culpado da mazela invadida – a culpa não era Dele, era somente minha.
O menino parou-me quando estava pra entrar no mercado pra comprar vinhos.
- Moço, paga um salgadinho?
- Pode ser um biscoito?
- O senhor compra também um iogurte?
- Claro! Qual?
O moleque entrou conosco (Valéria Soares estava comigo) e escolheu o biscoito e o iogurte sabor morango.
O menino não estava com fome de comida, ele estava com fome daquilo que não podia ter no seu dia-a-dia.
Ao sair do mercado, ele esperava ansioso. Com ele, estava outro moleque; pareciam irmãos.  Repartiriam, com certeza, o desejo adquirido.
Eu andava pelo Centro do Rio e tremia quando meus olhos invadiam aqueles pratos expostos na mesa de quem podia comê-los. Eu tinha fome e ninguém sabia.
O vendedor de flores que caminhava na madrugada de restaurante em restaurante, sempre parava na minha mesa:
- Moço, uma rosa pra namorada?
Olhava pra minha mulher e sorria:
- Tudo bem, eu quero essa!
A rosa ficava ali em nossa companhia e seguia conosco até a nossa cama.
Quando percebeu que eu não tinha o que comer, o camarada passou a dar-me a sua comida, e comer na rua, com a desculpa de que não gostava muito do que tinha ali, e preferia um hambúrguer com refrigerante. Ele alimentava o meu orgulho faminto. Ele sabia que a minha fome era por teimosia de um moleque bicudo que não queria voltar pra casa – Eu fugira de todos e de tudo. Rebeldia necessária como lição de vida.
Anos depois, eu caminhava em São Cristóvão, indo trabalhar, quando escuto uma buzina. Era ele, em seu carro:
- Lembra de mim?
- Como eu poderia te esquecer!
- O que faz por aqui, camarada?
- Trabalho aqui, eu faço ...
- Bacana!
-  Sempre me lembro daqueles dias...
- Eu também!
O sinal abriu, ele partiu sorrindo e, eu, ali paralisado, não disse a ele: obrigado.
Eu não tenho certeza da vida. Não sei o que virá amanhã, tento lembrar-me do ontem e vivo o hoje na intensidade permitida. O que fiz pra viver desse jeito? Talvez tenha sido o orvalho em minha cabeça nas noites frias, a dor na sola de meus pés em caminhos pedregosos, a acidez na garganta de um estômago vazio, a cegueira temporária numa adolescência agitada, as pernas paralisadas de um medo existente. Ou talvez tenham sido as mãos amigas por aí afora ou, quem sabe, tudo isto junto e um pouquinho mais.
Minha vida é comum como a de qualquer mortal e tenho ainda a fome, a sede e o medo. Tenho a fome de vida, a sede de amar e o medo de não conseguir.
Hoje falo com Ele, com a certeza de uma vida vivida – Só com Deus eu falo, nunca com o diabo... Por mais que ele insista.




Paulo Francisco

Um comentário:

nelma ladeira disse...

Paulo, fome de vida, a sede de amar, são duas coisas muito importantes!!Basta você querer,que tudo acontece:O medo você descarta...
Boa noite.