Mitos






Os urubus planavam pacientemente nas correntes termais. Gritávamos:"Urubu vai chover?" E eles respondiam que sim com o bater das asas. Corríamos para o chão batido e com caco de telha desenhávamos o mais belo Sol, com face, olhos e sorriso.


Acreditávamos, piamente, que o nosso Sol desmancharia a certeza dos urubus. Gritávamos novamente:"Urubu vai chover?" E os danados em pleno voo aquecido, em total economia de energia, tornavam-se preguiçosos e não batiam as suas asas – passeavam absolutos no céu. Motivo para euforia. Gritávamos como índios em volta da fogueira em dia de festa.

Éramos crianças. Vivíamos num mundo de faz-de-conta e tínhamos a certeza de que tudo era verdade. Acreditávamos em fantasmas, bruxas e duendes.

Cresci acreditando que jogar pão fora era pecado. Até hoje, não consigo tal ato. Depois, descobri que o pecado não nos levaria ao inferno e, sim, à desvalorização da vida.

Custei pra entender, chinelo virado não faz ninguém morrer, e cortar o rabo da lagartixa, mesmo sem querer, não fará sua mãe ser praguejada pela cotó.

Atirei muito o pau no gato. Morria de sede toda vez que ia ao tororó e, possivelmente, revoltado deixava a morena sempre por lá. E a todas as frutas preferia salada mista.

Cresci e não mais corri dos ciganos, pelo contrário, fui seduzido pelas suas sedas e cores. Tive a certeza de que o Gentileza não era Cristo e muito menos Profeta. Comunista não comia criancinhas. Que o padre não tinha mulher se não quisesse. A beata não é mulher de Cristo e sim uma adoradora. Que o trem azul era menos que o prateado. Que entre todas as zonas: sul, norte e oeste, tinha aquela que não estava no mapa.

Não pergunto mais para os urubus, em correntes termais ou não, se vai chover. Agora eles têm outro significado: são importantes e fazem parte da natureza.

Cresci...

Mas quando vou para o mar, ainda acredito que uma daquelas gaivotas, tem em seu bico uma mensagem sua.

Fazer o quê se não cresci de todo?


Paulo Francisco

2 comentários:

Paula Barros disse...

Ah, os finais dos seus textos, adoro, adoro.
Ainda bem que a gente não cresce de todo, e tem sempre um quê de magia, de encanto, de espera, de luz nos olhos.

Eu pensei que o final seria a espera do canto da sereia.

beijo marinho.

Milene Lima disse...

Até hoje fico de cenho franzido ao me deparar com um chinelo virado. Mas da lagartixa, sabia não.
Ciganos são fascinantes.
E os seus textos também os são.

Bom sábado, rapaz.
Abraços!