Oscilante



Tudo que eu mais queria nos finais de tarde era a certeza de uma noite tranquila. Nem sempre elas foram cravejadas de estrelas, nem sempre havia lua em minha retina. Tudo era possível quando o que se tinha era a obscuridade da incerteza.

- Quando o seu pai chegar ele vai saber das suas travessuras de hoje!

Pronto, minha alma paralisava ao ouvir a ameaçadora frase. Ela ficava ecoando em minha cabeça, nocauteando minhas ideias e travessuras futuras. Esperava sempre o pior no final do dia.  Passava contar com a sorte. Nunca ganhei nada em nenhum tipo de jogo. Mas, às vezes, era agraciado pela piedade materna – ela fingia que tinha se esquecido de tudo. A minha noite voltava a ter brilho. E o ciclo se repetia: Acordava destemido e entardecia temeroso.

Cresci com as travessuras do dia e os medos no final de tarde e, a cada centímetro alcançado, novas categorias de travessuras e medos surgiam em minha vida. Envelheci sendo travesso; envelheci adquirindo novos medos, mesmo depois de ter parado de crescer.

Tinha medo o que causaria, em minha casa, uma nota vermelha em matemática. Depois, foi o medo da própria matemática da vida. Nunca soube calcular direito o outro. Fui reprovado muitas vezes nessa categoria.

Tinha medo dos caminhos incertos. Deparava-me com bifurcações sombrias sem nenhuma indicação por onde seguir – sofria antes de prosseguir. Depois, foi o medo de não haver mais tais encruzilhadas e tudo ser uma eterna e monótona caminhada monocromática. Sempre odiei o tédio, a rotina. Sempre procuro novos itinerários, novas paisagens, até mesmo a aridez do deserto.

Quando a conheci, tive medo da minha certeza de ser ela a mulher da minha vida. A certeza era minha e não dela. Destemido, segui em frente. Foi bom enquanto durou, mas foi terrível quando acabou. O ciclo continuava em minha vida.

Travessuras e medos amorosos fazem parte da vida? Da minha com certeza. Nada foi muito calmo, nada era pura magia. Um dia sim, outro não.

Certa época da vida eu enfrentei o terrível medo, atravessando uma lança afiada em seu peito, só para tê-la em meus braços. Achei que seria uma aventura de poucos dias, mas com o medo estendido no chão, derrotado pelas minhas mãos, continuei com aquela travessura por alguns anos. E deu no que deu: Num fim de tarde o medo ressuscitou-se e eu fugi pra nunca mais voltar.Destemido? Não, simplesmente irresponsável. Característica comum aos jovens tímidos e medrosos como eu. Fui à busca de noites mais tranquilas.

Encarava aquele flerte como uma coisa impossível e distante. Enganei-me ao pensar que a distância era o obstáculo pra nunca nos encontrarmos.Travessura de um peregrino à procura de uma flor rara. Ainda continuo procurando-a em jardins e pântanos, em dunas e montanhas. Hei de encontrá-la. 

Passam os dias, passam os meses, passam os anos, e tudo que eu mais quero e espero é a certeza de um final de tarde tranquilo e a esperança de que a noite esteja empolada de estrelas, mesmo que elas estejam somente no céu da minha boca.




Paulo Francisco

Um comentário:

Silenciosamente ouvindo... disse...

Venho agradecer sua visita ao
meu blogue e seu comentário.
Já me registei no seu e virei
sempre que possa.
Gostei do texto deste seu último
post. Terei que vir com mais tempo
para ler mais alguns.Todos queremos
um final de tarde tranquilo, só
que nem sempre tal é possível.
Saudações
Irene Alves