Pra dizer adeus




Vem nem que seja só pra dizer adeus. A cantora num duo cantava melancolicamente a canção. Fiquei com a frase em minha cabeça e, cada vez que pensava nela, meu coração disparava. Fiquei perdidamente entristecido na possibilidade de um dia isto acontecer comigo. Aço só o super-homem, eu sou feito de células, tecidos e órgãos vitais – sou um eucarionte. Meus sistemas se interligam. Meu coração pulsa e jorra vida e, sem ele não sou nada. No meu peito não tem um esse de super, tem todo alfabeto que represente o amor que tenho por ela. Sou de carne e alma. Sou humano e como tal, sou um possível sofredor de amor.

Não, não venha pra me dizer adeus. Venha pra me fazer um aconchego, me colocar em seu colo e me mimar de afetos. Venha, venha sim, me fortalecer com seus carinhos e cheiros.

Aceitar um adeus quando ainda se ama é fatal. Morre-se numa sessão de tortura chinesa – é palito de bambu na unha. Descobre-se que o castelo era de areia e o calor que te aquecia agora te queima como gelo.

Venha nem que seja só pra dizer adeus. E eles disseram adeus. A canção não saía de minha cabeça.

É certo que numa relação fragilizada a possibilidade de um adeus é forte. Basta a indecisão de um dos pares. Numa dupla a sincronia é vital. Não existe a batalha do eu sozinho.

E este amor tão frágil precisa fortalecer-se pra que não haja adeus.

Trago em meu peito o seu nome, não sou eu quem vai dizer adeus.

Trago em meu peito a certeza de você, não sou eu quem vai dizer adeus.

E a musica não acabava... Repetia-se em minha cabeça, deixando-me mais inseguro que aquele amor. Amor de papel, com pouca base; amor ainda em construção; amor em gema que não se transformou ainda em botão. Como florir?

E no final da canção o silêncio se instaurou em mim. Mas como eu já dissera, tenho alma. Corri para o telefone e disse com todas as letras: ¨ Te amo.¨

Ela não atendeu para me dizer adeus. Ela não me disse adeus. Simplesmente sorriu. Sorrimos juntos até a próxima canção.


Paulo Francisco

4 comentários:

Ivone disse...

Paulo Francisco, que lindo e triste esse texto, é mesmo muito difícil viver na incerteza, se se vai dizer adeus que seja então logo sem essa angústia né?
Amei ler, fui até procurar saber o que é célula eucarionte!
Sua inteligência é mesmo admirável e sua sensibilidade também!
Abraços meu caro amigo, tenhas um lindo fim de semana!

Paula Barros disse...

Eu não sabia que admirava um escritor eucarionte. kkkk
abraço, eucarionte!

Van disse...

Nossa, Paulo!

Isto foi tão contundente que senti a pontinha de todos os adeus que ouvi, ou não ouvi, porque na verdade sempre preferi que ao sair fosse em silêncio para que eu guardasse apenas os sons da chegada.

Beijos

nelma ladeira disse...

Lindo texto Paulo.
Que sorte que ela não atendeu para te dizer adeus.
Boa noite.