Um instante, por favor

Não tenho mais que alguns instantes. Nunca gostei de ter somente um instante pra qualquer coisa. Gosto de conversas longas ao telefone, por exemplo – de preferência, deitado de perna pro ar. Nada de um instante, de um minuto. Quero muito; quero tudo. Nada de um instantinho. Não! um instantinho é pra matar qualquer um. Se o instante é ínfimo, imagina um insntantinho!. Mulher fresca e homem muito educado - mas muito educado mesmo, adoram usar: Um instantinho e, para piorar, completam com um por favor. Quando ouço: Um instantinho por favor, eu quase enfarto.

Se tem pressa, não me pergunte como estou. Porque se pergunta por uma questão de educação, se arrependerá por toda sua vida. VAI OUVIR TUDO.

Não venha com abraços e tapinhas nas costas. Gosto de abraços longos que transfiram calor; que aconcheguem. Que demonstrem afeto de verdade. Tapinhas nas costas somente numa emergência de um descuido de ter engolido a azeitona no ultimo gole do drinque. Aí sim, naquele instante, vale a porrada nas costas, porque por um instante pode-se sufocar e bater as botas – e ninguém quer, mesmo que por um instante, esta experiência, não é mesmo?

Fulano saiu nesse instante! Mentira, se ele tivesse saído nesse instante, eu teria esbarrado com ele na portaria. Se ele estava neste instante, daria tempo de pegá-lo no elevador e passaria o recado que eu liguei.

Esta palavra virou desculpa pra tudo – não gosto de um instante. Gosto de muito; de fartura. O instante é demasiadamente pouco.

A palavra ESPERA dito de maneira incisiva dá uma condição de que você vai ter que esperar mesmo, aí o jeito é pegar um livro na bolsa e ler alguns capítulos, até que voltem e digam: pronto! É a sua vez.

Ouvir dela um instante significa, pelo menos, meia hora de espera, o único jeito é relaxar, afrouxar a gravata e pegar uma dose de uísque com gelo pra ficar brincando com as pedras dentro do vidro. E quando ela se apronta você tem que correr, porque a sessão de cinema não espera; as cortinas do teatro se abrirão com ou sem você.

Quando estamos conectados e, ela me manda esperar, é certo, vai ao banheiro, passa pela cozinha pra um copo d’água, uma conversa paralela com quem está lhe solicitando e, eu, ali esperando, como os guardas do palácio de Buckiingham, sem reclamar, sem piscar, sem me coçar, simplesmente, porque ela disse espera e não um instante.

Fico imóvel pelo tempo que for preciso. Pois não posso pensar nem por um instante em perdê-la.


Paulo Francisco

4 comentários:

nelma ladeira disse...

Olá Paulo,o que aconteceu? Você escreve para não perguntar,mas eu pergunto assim mesmo!
A espera realmente é insuportável,mas você tem que parar, pensar, que as vezes para uma mulher fica difícil pegar o telefone e ligar! Não que não queira fazer,mas vai que ela tem vergonha.Já escrevi pra você,ligar pra ela,não tem problema,ela vai te atender,e vai amar.Deixa recado no blog dela,sei lá faça qualquer coisa!Se realmente você quer,faça!
Talvez ela esteja esperando você ligar!!Neste dia de hoje,eu Nelma daria tudo na minha vida,para esta longe daqui!Muita paz Paulo,beijinhos.

Paula Barros disse...

Excelente a forma de escrever o texto, e o tema.
O texto é dinâmico e li num instante, num fôlego só, que por um instante fiquei sem fôlego. E terminei sorrindo.

Sorrindo comigo. Sorrindo com a comparação dos guardas, muito criativo.

Não gosto de abraço com tapas nas costas. Deixo um abraço apertado e demorado. kkkk

Marli Soares Borges disse...

Esperar é a sina de todos nós, queiramos ou não. Ótimoo texto. Bjs

Marly de Bastos disse...

É Paulo, se um instante é pouco, imagina um instantinho. Mas é num instante que a vida muda, que a percepção flui...
Espera é bem melhor que "dá um tempo ai..."
E tem horas que a única coisa a fazer esperar e esperar, senão é capaz de tudo ir pros ares.
bjkas doces