Amar




"Não ameis à distância!" A frase não é minha. É de Rubem Braga. Ele fala em sua crônica: ¨...a carta não diz o que a outra pessoa está sentindo, diz o que sentiu na semana passada.¨ Mas pensando bem, há relações que estão tão desgastadas em que o sentimento do outro chega tão atrasado que parece ter feito uma viagem de navio. Que o Rubem Braga pensaria dos sites de relacionamentos? Acredito que ele diria ¨Ainda assim, não se tem o olho no olho.¨ A imaginação humana é fértil. Podemos imaginar o que quisermos e acreditar nesta imaginação. Somos capazes de idealizar um amor e transformá-lo em nossa razão de vida.

Podemos quixotear por aí? Acredito que muitos que estão nestes sites de relacionamento estão  à procura de seu Dom Quixote ou de sua Dulcinéia. São pessoas que acreditam na possibilidade da alma gêmea; da outra metade da laranja.Outros procuram respostas por ter uma vida vazia, sem sentido. Muitos só por diversão.


Conversando com uma amiga ela me disse que encontrou um camarada,  ficou muito tempo de namoro na internet e depois passaram para o telefone e quando se conheceram de verdade, mesmo não sendo tudo aquilo que ela pensava dele, ficaram juntos por uns cinco meses. Ela ainda afirmou: ¨ Ele foi muito importante naquele momento, minha auto-estima estava baixa e com aquele envolvimento eu pude sair de uma crise. ¨ Pessoas, como essa amiga, não estão na internet pra brincar, pra fazer sacanagem. Estão ali para tentar diluir um sentimento ruim, uma fase negra.Acreditam na possibilidade de um amor. Acho válida esta aproximação através da máquina.


Num dia desses, acabei ouvindo uma conversa no ônibus de dois camaradas. Falavam de tudo, principalmente do negócio novo que os dois estavam entrando – seriam sócios num estabelecimento comercial. Papo vai, papo vem e acabaram entrando numa conversa sobre família e um deles acabou dizendo que conhecera sua esposa através de um site de relacionamento. Tinha uma filhinha e o casamento já durava três anos. Admirável a história do homem. O que o Rubem Braga diria deste caso? Ele continuaria com a mesma opinião? Acho que não, talvez com toda essa parafernália tecnológica, com o preço da passagem de avião mais barata que a do ônibus, dá para encarar uma aventura dessas sim.


Contrario Rubem Braga e lhes digo: Amem, amem de qualquer forma, de perto, à distância, porque o importante é deixar fluir este sentimento tão nobre e tão difícil de administrar. Assim,repito Vinicius de Moraes: ¨ E que seja eterno enquanto dure.¨ Não é mesmo?



Paulo Francisco

3 comentários:

Crista disse...

Não acredito em ano velho nem ano novo...acredito na VIDA...em seu caminho de luz,paz e amor...e é o que eu te desejo!

Paula Barros disse...

Existem muitas formas de aproximação, de conhecimento, a internet é apenas uma delas.
Nunca consegui participar de sites de relacionamento. Embora pelo blog eu possa sentir mais carinho por uma pessoa do que por outra, sem conhecer. Talvez entre esta questão da imaginação, do idealizar o outro pelo que escreve. E isto em alguns casos pode ser ruim, ou melhor, a pessoa pode ser bem diferente da imaginação.
Conheço pessoas que se conheceram através de sites ou outros meios virtuais e estão casadas há anos.
Relacionamento virtual...
Eita, a conversa seria longa. kkkk


(Você me fez rir com os seus comentários de hoje)

abraço

Milene Lima disse...

Acho sim possível, com o risco de dar certo ou não, como em qualquer relacionamento. O mais bacana é o que aconteceu com a sua amiga, a coisa se manteve enquanto era bom, depois acabou e seguiu a vida. E outros amores e desamores por certo aconteceram (acontecerão).
Qualquer maneira de amor vale apena... Não é assim que diz a canção?

Um beijo.