Arranjo






Ainda há flores em meu jardim.  Quando eu pegava uma flor não era para despetalá-la em mal-me-quer e bem-me-quer, e tampouco cheirá-la somente; quando  arrancava uma flor do jardim era para oferecer a alguém. Sempre presenteei com flores as mulheres amadas. Rosas, flores do campo, tulipas, orquídeas, margaridas e lírios. Flores de todas as cores para todos os meus amores. Levava flores ¨retiradas¨ do quintal da vizinha para professora- querida – fui, certamente, alfabetizado, para amar. Oferecia margaridas para a vizinha de olhos verdes, escolhia as rosas mais bonitas e esperava que a minha amada secreta as encontrassem no café da manhã – uma maneira aromatizada de dizer bom dia.

Acho que nunca vou deixar de mandar flores, salvo para aquelas que não gostam e se recusam a aceitá-las – a essas,  presenteio com doces: chocolate, por exemplo. Não ofereço flores em datas especiais – não gosto de competição - presenteio em dias comuns, em momentos distraídos. Gosto de assustar com flores.

Entrei na floricultura e escolhi uma orquídea branca, mandei entregar em sua casa na hora em que eu estava na estrada, voltando pra casa.  Saber que mesmo distante,  posso estar proporcionando alegria à mulher amada, é, também, prazeroso pra mim. Gosto de surpreender com flores.

Quando chegou e viu a sua sala enfeitada com flores do campo, telefonou-me gritando: - Te amoooooo¨. Era um amor momentâneo; era um ¨ te amo ¨ passageiro, mas o que valia era o instante daquele amor regado a pétalas e a aromas florais.  Chuva instantânea de pétalas amorosas.

Mandei entregar dois vasos de orquídeas, sem cartão, no dia de seu aniversário, na hora em que estava reunida com as amigas. Sabia que a reunião ferveria de mentes curiosas, querendo saber de quem veio as flores. Neguei que tinha sido eu até o último momento. Só para sentir a sua curiosidade. Amigo secreto escondido em seu jardim.

Mas nem todas as mulheres gostam de buquê de flores. Têm aquelas que não gostam delas cortadas, preferem as que podem ser cultivadas em vasos. Uma namorada me disse: ¨ - Ah, elas duram tão pouco em ramalhetes. Prefiro-as no vaso, assim eu posso cuidar delas por muito mais tempo e depois plantá-las no jardim¨;  Outras não gostam de flores de jeito nenhum. Essas, como eu já disse anteriormente, querem doces – não me perguntem o porquê da escolha. Amores com cobertura de chocolate.

Todo bobo, mandei entregar vasinhos com violetas em sua casa. Uma semana depois, todos os vasos  estavam secos e as flores mortas. Eu não sabia que cuidar de planta era tão sacrificante assim. Cultivar amor era um sacrifício e tanto. Coitada, está sozinha até hoje, pois, não consegue sustentar por muito tempo uma relação. Aula de jardinagem seria bem apropriado: arar, arejar o solo e deixá-lo rico em sais de amor. Caso contrário, a aridez é certa em seu coração.  

Gosto de sentir a maciez aveludada de suas pétalas. Seria Botânico se não fosse Zoólogo; seria Jardineiro se não fosse Entomólogo. Mas há interação entre elas. Há interação entre nós dois. Somos jardim e jardineiro em perfeita harmonia.

Não me importo se querem ou não, eu levo flores, gosto deste acompanhamento em minhas relações.  Gosto deste método de polinização.

Escolhi rosas, rosas de todas as cores e mandei entregá-las junto com o café da manhã. Gosto que sintam pétalas cristalizadas na ponta da língua.

Uma coisa é certa. Nenhuma delas me perguntou se eu gostaria de receber flores também. Ma se me perguntassem, eu responderia: - só não gosto de doces.

Mas tudo bem, ainda há flores em meu jardim.


Paulo Francisco

2 comentários:

Helena disse...

Paulo, aqui estou mais uma vez, apreciando a tua poesia em textos tão bonitos e significativos. A postagem de hoje trouxe-me recordações, pois como adoro flores sempre as recebia independente de ser ou não uma data especial. Muitas vezes as recebi junto de bombons ou livros (outra de minhas paixões) e o interessante é que vinham sempre sem nenhum espinho... Sempre admirei este pequeno gesto de carinho. Creio que a vendedora da floricultura tinha o maior trabalho em retirá-los (risos). Um belo dia, querendo comemorar de forma 'diferente' o aniversário dessa pessoa, enviei junto de uma caixa de vinho, um bouquet de lindas e variadas flores com um bilhete assim: só se enviam flores para homens especiais...
Você acredita, amigo, que as flores e o cartão fizeram mais sucesso do que o vinho? E olha que a pessoa é colecionadora do mesmo e estava recebendo uma safra especial. Vai entender os homens!!! (risos).
Mas entrei aqui, meu querido, para desejar que o ano de 2014 seja um dos melhores da tua vida e dizer também que espero possamos continuar este intercâmbio no ano que se aproxima. Foi um prazer te conhecer, mesmo através da blogosfera.
Ficam sorrisos, ficam estrelas, fica meu carinho,
Helena

Marli Soares Borges disse...

Querido amigo Paulo,

Gosto muito dessa tua prosa poética, dessa leveza que encontro em teus textos. Parabéns.
Feliz Ano Novo!!! Bjs. Marli

P.S. Como pode alguém não gostar de flores?