Incompatíveis



As palavras sobrevivem ao amor. Já me apaixonei algumas vezes, já falei, gritei palavras de ordem, já me agarrei aos adjetivos e deles fiz poemas. Declamei e declarei-me aos seus olhos. Mas como eu sou melhor com as mãos do que com as palavras, e isto é certo, faço das carícias minhas palavras soltas e com os meus beijos frases perfeitas.

Meu silêncio amoroso é a minha constituição.

Estava eu ali, calado, em perfeita harmonia com os meus sentimentos. Aquele quarto de hotel se transformara em minha varanda, a cama em minha rede e ela a brisa que me impulsionava em desejos e sonhos. Deixei a realidade lá fora.

Vermelho era o seu beijo.

Vermelho era o seu céu.

Vermelha era a sua paixão.

Vermelhos éramos nós.

De repente a palavra rasgou o silêncio existente e o que era belo se transformou num inferno.

Ela exigia de mim o que eu não podia lhe dar:

Ela queria palavras ditas, eu só tinha palavras sentidas.

Ela queria ouvir, eu queria sentir.

A transparência ditava as regras e nós sabíamos. O que fazer quando o que ela queria era o que eu não tinha pra lhe dar?

Enquanto pra mim, naquele momento, os desejos sobreviviam a tudo, pra ela,  as palavras  sobrevivem sempre.

E o silêncio se fez presente: ela de um lado e, eu do outro.

Vermelhos eram os seus olhos.

Vermelho era o meu ódio por não saber mentir.

Pois é, descobri que as palavras, mesmo falsas, sobrevivem a tudo, até mesmo ao caos.

Eu queria sexo. Ela queria sonho.




Paulo Francisco



3 comentários:

Paula Barros disse...

A maioria dos homens que eu conheci queriam sexo.

Joaninha Musical disse...

Gostei muito desta mensagem,muito cheia de encanto. Beijinhos fofinhos,feliz 2014 e até breve!!

sandra mayworm disse...

Ahaha! Todo mundo diz a mesma coisa...porém, eu discordo: As mulheres querem o sexo envolvido em sonho, os homens, talvez só sexo. Não sei porque não sou homem!
Muito bom o texto, adorei os olhos vermelhos!!!
abraço petropolitano
Sandra May