Arranhões

Não me julgues. Quando estou monossilábico é certo estar em outra dimensão. Quando estou assim, o melhor é não insistir. Guarde suas perguntas para mais tarde, porque não terás, não mais que um sim, um não ou um ok. Neste momento sou viajante de mim mesmo.

Se estou com sono, durmo. Então não critique o meu sono vespertino. Deixe o meu corpo recarregar, espere ele ficar pronto e minha mente sã.

Sou falante de natureza. Falo mais que devia, mas tem horas que papagaio precisa dormir.

Não tenho o poder de adivinhar – gostaria e muito ter este dom - mas se não falo o que quer ouvir na hora exata, sou insensível. Será que sou tão frio, ou estou fora de alcance? Possivelmente, estou num orbitador entre a Terra e o espaço. Espere eu descer.

Tenho algumas marcas adquiridas. Sim, marcas adquiridas na infância. Era um moleque que não andava – corria. Era extremamente feliz com as minhas pernas agitadas. Quando não estava correndo, estava no mundo da lua. Sim, eu vivia os extremos, ou muito agitado ou muito aluado. Quando aluado, pensador – mirim, era batata, algo iria acontecer, e acontecia, caso não fosse resgatado pelas minhas pernas felizes.

Tenho marcas por todo o meu corpo. Cortes em minha pele feitos pelo mais diversos dos acontecimentos. Cabeça rachada não era novidade. Pele cortada não era novidade. Minha derme era tingida por mercúrio-cromo e adornada por gazes e esparadrapos.

Não julgue o que não pode compreender. Se não falei o que queria ouvir é porque estava correndo em pensamentos ou estava viajando em sonhos. Se não respondi o que queria ouvir, ou se não falei o que queria sentir, é porque minha sensibilidade estava adornada por gazes e esparadrapos.

Hoje não enfeito minha pele de azul de metileno e nem de vermelho – mercúrio-cromo. Metileno só o meu céu e, vermelho, somente o meu coração.

Não me julgue. Se não tenho os seus olhos como posso compreender o seu coração?



Paulo Francisco

3 comentários:

Ivone disse...

Simplesmente lindo, amei ler, sua sensibilidade e forma de nos mostrar o que vai em seu ser é pura poesia!
Abraços amigo poeta singular!

Luma Rosa disse...

Oi, Francisco!
Que beleza de texto!
Essa compreensão que esperamos de quem convivemos. Estar bem consigo para estar bem com os outros.
Beijus,

Anônimo disse...

Eu gosto disso!Simplesmente maravilhoso.
Adoro passar por aqui,e ler essas lindas palavras.
Vou tentar montar um blog para poder participar,desses lindos e poéticos blogs que conheço aqui!
Obrigada por uma noite de sono feliz,porque ninguém fica triste com tão belas palavras.