Dueto




Os raios invadem minha casa. Não sei acordar de outra maneira. Não vedo meus olhos pra dormir. Não fecho minhas cortinas. Gosto de ir dormir olhando pro céu. Cochicho com a lua em noites claras e sou acordado pelo sol. Penumbra só em momentos de puro tédio ou em uma grande enxaqueca.

O meu acordar é lento, minha alma me chama e acaricia-me em massagem chinesa. O meu espreguiçar é demorado, pernas e braços são movimentados num vocabulário próprio do balé. Dizem por aí que tudo isto é preguiça. Pode ser, mas só abro os olhos depois de meu concerto coreografado ser todo executado e o coral de anjos terminarem sua canção.

Não tenho pressa ao acorda. Sei que depois tudo vai ser diferente. Tempo pra tudo, horas pra tudo. Não, não me venha dizer que o meu despertar é de preguiçoso – ele é necessário.

Tenho algumas necessidades que vão à contramão do dia-a-dia. Necessito por exemplo de músicas, não músicas enfiadas nos ouvidos como vejo por aí. Necessito dela em minha casa, em meu trabalho, em meu viver. Os meus amigos são canções. Canções das mais variadas. Tenho do Rock ao Fado; do Forró a canções francesas. Os meus amigos são diversificados.

O gostoso é quando a discoteca está em minha sala. Concerto de primeira. Festival de repertório.

Engraçado, tem gente que mal conhecemos e já se torna música aos nossos ouvidos. Conheci por um tempo desses uma mulher que aparentemente me pareceu ser uma música francesa, mas depois, ela foi se mostrando que também podia ser uma bela canção de musica popular brasileira. Gostei dela.

Ela gosta de dormir na penumbra, mas deixa uma frestazinha na cortina para ser anunciada pelo dia que está na hora de acordar. Os raios invadem seu quarto de maneira sorrateira. Seu espreguiçar é menos coreografado, mas as suas poses são dignas de quadros sensuais.

E nestas noites, certamente, abandono a lua, esqueço o sol. E a penumbra é minha amiga.

Num duo, alguém tem que ser a primeira voz.



Paulo Francisco

2 comentários:

Ivone disse...

Concordo contigo, "Num duo, alguém tem que ser a primeira voz.", amei ler, também gosto de dormir com janela aberta para poder ver a chuva, acordar com o Sol, mesmo aqui em São Paulo,apesar do agito, tenho minha casa em um bom bairro residencial,com minhas plantas lindas, plantadas em vasos grandes, fazendo assim um lindo jardim/pomar,mas o que gostaria mesmo era de um bom sossego, pena que não posso levar minha casa para um lugares assim, bem assim como o seu!
Abraços meu amigo poeta!

maria teresa disse...

Coreografar o acordar, nada tem de preguiça, tem sensualidade...
Adorei saber que "transforma" os amigos em som musical, deve ter uma enorme coleção de "músicas", que atitude tão ternurenta:)
Abracinho meu!