Pais e filhos





















Todos pensam que o bar é minha biblioteca. Confesso que botecos de quinta são bons sebos. Mas a minha sala de leitura é de céu aberto - não há silêncio; tem muita gente e cada um tem o seu jeito peculiar de ser. São exemplares únicos. Cada qual no seu formato. São raros e não tem fim. Adoro pontos de ônibus. Neles uso, muita vezes, a minha caneta e o meu bloco de anotações. É ali que consigo ter uma variedade de almas, pensamentos diversos e metas diferentes. Sou um abelhudo num ponto qualquer. Não me incomodo em esperar – nunca tenho pressa quando estou à espera de um ônibus e de uma história.

Hoje, em particular, fiquei um tempo enorme observando um garoto e seu pai. Pela quantidade de porquês, o moleque não passava de oito anos. Ele estava ávido por respostas. O menino, agitadíssimo, tentava tirar o máximo de proveito daquele interrogatório. O pai era a sua biblioteca; a sua internet.

Clica no pai e aparecerá uma resposta e a imaginação fluirá.

Parei a minha leitura e fiquei silencioso, atento às perguntas do menino:

- Pai, por que não temos mais dinossauros?

Fiquei esperando a resposta do camarada, que estava de cócoras, encostado ao muro, bem próximo ao filho.

- Bem...a tartaruga e o jacaré são dinossauros sobreviventes...

- Sããããão!?

- Sim, naquela época eles já existiam e eram enormes.

- Masss pai, o tiranossauro rex era um cachorro?

O pai ficou mudo. Não soube responder ou entender a piada do moleque.

O menino completa:

- Ele parece um cachorro com aquelas patinhas da frente (risos)

Mais perguntas:

- Pai, por que os dinossauros morreram? Eles eram tão grandes!.

Nenhuma resposta. O homem olhou pra o menino, mexeu em seu casaco, colocou a mão em seu queixo, como se quisesse dizer: ¨- Passo! Manda outra!¨

Estava ficando agoniado com as perguntas jogadas ao vento. O Google naquele momento estava fora do ar - a net estava lenta.

Mais outra, no mesmo assunto;

- Pai, se os animais pequenos conseguiram sobreviver, por que os dinossauros não? – o menino insistia. Ele queria que o seu herói respondesse ou, simplesmente confirmasse que a professora estava certa.

A cada pergunta do curioso, eu respondia silenciosamente. Sabia tudo sobre aquele assunto. Mas sabia também que não podia responder àquele exercício entre pai e filho.

O ônibus chegou e eles partiram.

Sorri. Era um sorriso de satisfação e de recordações. Não me lembro dos meus porquês. Sabia que não tinha ninguém que me responderia sobre céu e estrelas. Acho que eu não era um menino perguntador e sim um pequeno observador.

O meu filho nunca se interessou por dinossauros; nunca teve interesse pelo mundo animal ou vegetal e nem tampouco olhou para o céu. Ele é eletrônico. Enfeita-se de telas, joysticks, pendrives e botões com start, play e pause. E as nossas conversas de iguais, só acontecem após uma peça, um cinema ou um show.

E eu agora estou aprendendo sobre futebol.

Um dia desses, ele estava atrás de mim, lendo o que escrevia em meu laptop e disse:

- Sabe, tô até gostando de poesia!.

Olhei para trás e respondi:

- Que bom, bacana! Que bom... quer fazer uma comigo?

Ele respondeu:

- Ainda não, não estou preparado ainda.

Voltou para o puff e começou a apertar aquele objeto cheio de botões coloridos.

Apertei o meu play e viajei num texto.


Paulo Francisco

4 comentários:

may lu disse...

"a minha sala de leitura é de céu aberto" lindo! Há imensidões para ler...
Doce beijo!!

Ivone disse...

Paulo Francisco, que delícia de ler por aqui, tens uma capacidade de criar que só quem sabe escrever consegue nos passar essas estórias,amei, lindo demais, também gosto de observar os comportamentos das pessoas, nos ensinam muito mais do que livros né mesmo?
Abraços!

lis disse...

Nada me surpreende mais na vidinha dos poetas são curiosos observadores contemplativos daí a razão de escritas tão lindas,
também viajo ...com voce.
boa semana e retribuo o abraço grandão.

nelma ladeira disse...

Gostei do texto,como sempre consegue brincar com as palavras.
Boa noite Paulo,e um ótimo Domingo,beijinhos.