Voo enigmático


Quando escrevo pra você fico assim meio maluco. Não me sinto ridículo, mesmo quando fico do avesso.
Eu não sei qualificar os meus textos. Escrevo! Eu não fico pensando muito – busco da alma. Faço isto agora. Fiquei com uma vontade danada de escrever pra você, de dizer-te coisas, sim, coisas! Nada profundo, senti vontade de dizer besteiras em sua orelha, deixar-te arrepiada e com vontade de mim.
Esta capacidade humana de se transformar em segundos, sair de um plano ao outro com a velocidade da luz é fantástica. Basta um clic; basta um alô; basta uma imagem para sairmos do plano da realidade para o plano do desejo.
Adoro sonhar, principalmente quando estou acordado. Fica mais verdadeiro.
Não tem explicação esta leveza ancorada em meu cais. Se é telepatia ou magia, eu não sei. Só sei que é bom. Gosto de imaginar-me nos ares coloridos de um mundo em que há estrelas. E se eu não posso pegá-las com minhas mãos, sinto-as no céu de sua boca.


Paulo Francisco

3 comentários:

✿ chica disse...

Linda e atraente essa leveza que tanto bem faz! abraços,chica

lis disse...

Domar esse pássaro ... que existe me nós e nos faz voar voar.
Também gosto.

nelma ladeira disse...

Lindo poema Paulo.
É muito bom sonhar...Mas também prefiro acordada.
Lindo essa sua leveza...
Adorei,beijinhos.