Mãe





Quando ouvi Mãe de Caetano Veloso na voz de Gal Costa pela primeira vez, eu fiquei paralisado. Até hoje a música mexe comigo de uma maneira singular. Eu gostei tanto da música, que não pensei duas vezes, quando a professora pediu para a classe, como tarefa da semana, uma versão em espanhol de uma música brasileira, eu escolhi Mãe.

Todos ficaram curiosos o porquê daquela música. Não disse. Não era pra dizer, era pra sentir. Hoje pensei em fazer uma crônica para o dia das mães. Mas tudo que eu fosse escrever por aqui, alguém já disse, e bem melhor.

Falar da certeza do amor materno, do desejo de tê-la por perto, das palmadas e dos castigos, do bolo e dos presentes, dos afagos e do colo, das mãos que nos seguravam evitando-nos os abismos, dos olhos que nos vigiavam e nos serviam como lanternas no escuro frequente, das histórias contadas sobre o vento e das músicas assopradas nas noites sem estrelas; tudo isso é mais que justo, mas não seria inédito. E mãe é inédita, é única, não tem cópia, foi desenhada sem papel carbono por baixo pra cada um de nós. Sem essa de dizer que mãe é tudo igual, não, não é não, e sabemos disso. Minha mãe, tua mãe, nossa mãe, a mãe dele.

Pensei até em não escrever nada que fosse maternal, achei que seria mais interessante passar pela data e escrever algo que fugisse ao tema. Mas, não seria justo comigo, com ela e, principalmente, com as mães que me leem.

Então, pra não ser piegas e repetitivo, escolhi pra homenagear, a minha, a tua e a mãe deles, na letra da música de Caetano:  Mãe

Palavras, calas, nada fiz
Estou tão infeliz
Falasses, desses, visse não
Imensa solidão
Eu sou um Rei que não tem fim
Que brilhas dentro aqui
Guitarras, salas, vento, chão
Que dor no coração
Cidades, mares, povo, rio
Ninguém me tens amor
Cigarra, camas, colos, ninhos
Um pouco de calor
Eu sou um homem tão sozinho
Mas brilhas no que sou
E o teu caminha e o meu caminho
É um nem vais nem vou
Meninos, ondas, becos, mãe
E só porque não estais
És para mim que nada mais
Na boca das manhãs
Sou triste, quase um bicho triste
E brilhas mesmo assim
Eu canto, grito, corro, rio
E nunca chego a ti.






Com relação ao trabalho em espanhol, tirei dez e a professora, numa versão bem brasileira, transformou-se na mãe de meu filho.


Paulo Francisco

2 comentários:

✿ chica disse...

Adorei a homenagem e o final, quando a professora é a mãe do teu filho!Feliz Dia das Mães pra ela e todas as mamãese muitas alegrias! bjs,chica

Nelma Ladeira disse...

Parabéns,linda homenagem.
Adorei a musica.
boa noite.