Desgarrado







Estou em falta com você. Estava tomando um cafezinho, na minha padaria preferida, quando vejo um sorriso à minha frente – era meu amigo Marcos que há meses não o via. Eu, querendo ficar por aqui, escondido, curtindo um céu azul em minha rede na varanda; ele, atarefado, com filhos, esposa e uma vida pra refazer depois dos contratempos do tempo que andou mexendo com várias famílias daqui nos últimos anos.E a dele, foi uma delas.

Não adianta, vai ter uma hora em que o afastamento é inevitável. Mas somente os corpos se afastam, os corações continuam juntos.

- Paulo, eu liguei pra ti, a semana toda, e não te encontrei. Viajou?

- Não, eu estava aqui mesmo... Não queria falar com ninguém...

- Ah, tá! 

 Tem hora que é necessário desaparecer pra aparecer. Eu explico a contradição: Quando tudo parece estar cinza, sem cheiro, sem brilho, pesado, com pouco ar,simplesmente, entro na minha ¨cápsula revitalizante¨ e só saio dela, quando há mais cores, o cheiro é bom e o brilho reflete. Quem me conhece já sabe e não se assusta com a minha invisibilidade.

Quando não estou bem, não perturbo ninguém.

Fico guardado em lembranças e planejamentos futuros.

- Menino! Quase chamei o corpo de bombeiro pra invadir a sua casa. Viajou?

- Sim e não (risos)

- Ah, ta!

Às vezes o meu desaparecimento é simplesmente por pura distração. 

Pego na encruzilhada da vida outro caminho em busca de paisagem nova e me esqueço de avisar aos mais chegados que a caminhada é longa

- Esperei você para o almoço e acabei almoçando sozinha...

- Ihhhhhh, esqueciiii... 

Tínhamos combinado né!

 - É. Não gosto de agendar nada com muita antecedência. 

Certamente mudarei de idéia e vou deixar alguém na bronca. Sou movido pela impulsão, mas não sou impulsivo. Só às vezes. - Paulo o Festival de Jazz vai começar no dia seis, vamos? 

 - Calma, ainda estamos no dia dez, deixe chegar mais próximo, ok? 

 - Ah, sim, esqueci que tem que ser na hora agá. (risos) Mas tem momentos, em minha vida, que planejo e torno-me ansioso até a conclusão do evento.Seja ele de que ordem for.

Como aquele combinado e definido e ela, me deixou a ver navios horas antes de viajarmos. Mochila pronta pra ficarmos uns dias numa cidadezinha do interior e acabei na mão. Ela desistiu de ir comigo e só me avisou quase na hora de partir.

Um dia do caçador, outro da caça – fazer o quê? Tenho consciência de que já deixei muita gente a pé por aí.
- Vem lanchar comigo hoje?

- Não dá, vou ao... No Marco Antônio ( meu dentista).

 - Depois?

- Vou fazer algo (risos)

Já na cadeira do dentista, a Magui, secretária do Dentista, entrega-me o telefone, era a minha amiga Maria dizendo que ia me pegar pra lancharmos juntos.

Fui ao lanche. Tinha programado uma coisa e acabei fazendo duas coisas. Melhor assim.

Quando desapareço e você não me tem por inteiro; quando somente o meu corpo está presente; quando meus olhos olham, mas não vêem; quando o que falo perde-se no ar; quando o ar é só pra respirar; quando tudo se resume em querer desaparecer. Deixe-me nesta hora, faça de contas que eu parti e viajei sem me despedir, mas que voltarei. Porque eu sempre volto, mesmo que arrebentado e arrependido.

- Oi, estou na cidade, posso ir até aí te ver?

- Claro, por que não?

- Posso!?

- Traz o rango, estou sem nada por aqui

- Levo o quê?

- Massas, o vinho eu tenho aqui. (Risos)

Quando a minha canção não é ouvida, quando o meu poema é concreto, quando o que eu desenho é abstrato, quando o que eu falo ninguém entende. Deixe-me, então, aqui deitado, viajando baixo, certamente irei partir.

Estou em falta com você. Parado no ponto de ônibus, lendo Clarice, depois de ter ido ao correio numa busca vã do livro da escritora Michele Pupo, sou surpreendido com a frase: ¨ Não acredito!!!¨ Era a amiga Ascenção, depois de mais de dez dias sem contato, depois de várias tentativas de me encontrar, ela esbarra na minha distração daquela tarde fria. Sorrimos e conversamos enquanto me deixava em casa de carro.

Quando volto a vê-la? Qualquer hora dessas distraído ou não.

Estou em falta com você.  Minha irmã Ana me liga, preocupada com o meu silêncio. Estou em falta com você. Minha mãe me liga, preocupada com o meu silêncio.

Estou em falta com você. Ela me liga e diz que o meu silêncio é o grito que precisava ouvir.

Sabe... Eu estou em falta comigo mesmo. Vou andar por aí. Não preciso de muito. Basta uma mochila. O destino eu vou traçando, porque o meu silêncio é sempre branco. E, de branco, vou manchando o céu, vou marcando o chão, vou confeitando os sonhos. E no branco da tela de meus textos,vou pintando o que ainda resta pra pintar.

Ah, já avisei a ela que vamos ao Festival de Jazz.

Paulo Francisco

3 comentários:

Ivone disse...

Amei ler aqui, muitas vezes queremos mesmo isso, nada para fazer em questão de compromissos, viver livremente, sem nunca nos prendermos a nada, viver é mesmo isso, complicado e ao mesmo tempo simples!
Abraços meu amigo poeta!

Ivone disse...

Ah, não sei porque meus escritos também estão assim, com palavras sublinhadas?!
Será que houve mudanças nos blogues?!
Nossa, abro e aparecem propagandas "piscando incessantemente", agora isso de palavras sublinhadas?!
Abraços meu amigo, as coisas mudam de um momento para outro!

Anônimo disse...

[ um beijo, então]