Acordo dos tempos





¨Eu sei que vou te amar...¨ A música inundava na sala e eu ao telefone com o João. Insistia em vê-lo. Mas o camarada não estava nem aí. Eu não era tão importante naquele momento. Os amigos, as brincadeiras, o shopping eram mais importantes. ¨ Em cada despedida eu vou te amar¨. Cedi. ¨desesperadamente¨ O que argumentar? Eu era tão importante assim? Não, não era. A música invadia minha alma.

¨A cada ausência tua eu vou chorar¨ desliguei dizendo: Tudo bem, filho.

A música já tinha terminado, outra melodia invadia a sala, mas Tom continuava em minha cabeça. Não adianta, o moleque estava certo. Eu sou pai, estarei sempre por aqui, ou em qualquer outro lugar e ele sempre poderá contar comigo. A música insistia: ¨ Mas cada volta tua há de apagar ¨ Não me desligava da música.

Lembrei-me de meus treze anos - não era diferente do João. Tinha o meu pai a qualquer hora do dia ou da noite, então porque teria que ficar com ele quando podia estar com os meus amigos. Meu pai não iria entender as minhas atitudes, as minhas transgressões. Não conseguiria seguir os meus passos.

O que eu não sabia ou nem imaginava era que a minha presença era vital pra ele quando me chamava. Não sabia que um chamado dele era um pedido de socorro, por estar sozinho, carente, achando que o mundo iria acabar. Eu não tinha discernimento para tanto. Eu era um moleque com gana de brincar, de ser livre pra voar num mundo em que ele não podia estar. Só entendia o que me era dito. Não lia nas entrelinhas, não sabia que a vida é uma metáfora para poucos. Que canções não eram somente feitas para dançar. Não entendia aquele abraço apertado que quase sufocava.
¨ Filhos se não tê-los como sabê-los ¨ Lembrei-me do poema de Vinícius. Como entender o que foram os nossos pais se não passarmos pelos seus caminhos?

Hoje eu entendo meu filho e entendo mais ainda o que foi o meu pai. Os anos passam e tudo muda a nossa volta. Mas, é certo, a relação pai e filho tem uma base que não muda nunca – o amor.

Amanhã ligarei novamente pra ele, mas já tenho um plano B. Se Maomé não vai à montanha, a montanha vai a Maomé.

E a vida continua...

(Hoje eu executei o meu plano B. Foi ótimo!)


Paulo Francisco




Eu Sei Que Vou Te Amar by Caetano Veloso on Grooveshark

3 comentários:

Paula Barros disse...

Que bom que as experiências e lembranças lhe ajudam com seu filho.
abraço

Milene Lima disse...

Rsrsrs... Que bonitinho! Eu quis abraçar você agora. Mas quando li o final, que deu certo o plano B, fiquei contente.

Beijos, rapaz.

Ceres da Silva Borges disse...

Este é o verdadeiro amor incondicional.
Descobri este blog por acaso e não resisti. Tinha que comentar..rs.
Sucesso pra vc e o blog.
O meu é ceres-tudoporamor.blogspot.com