Acumulador






Abri a gaveta e levei um susto daqueles. Já não me lembrava de tantas coisas guardadas. Sempre tive a mania de guardar aquilo que achava ser tesouro. Mas depois de certo tempo   percebia que o ouro escondido era ouro de tolo. E, aí, ia tudo para o lixo. A vida é assim mesmo, pelo menos para mim. O que pensava ser de suma importância  - e talvez o fosse no momento em que o guardei - não passava de lembranças fúteis, ou ilusão de ótica de um inocente.

Antes, guardava os meus pertences em caixas de charutos. Sim, eram objetos de extrema importância para um moleque que adorava brincar. Bolas de gudes, figurinhas, soldados de chumbo, piões afiados e cacarecos mil.

Cresci e continuei guardando coisas. Guardava não somente os concretos, mas os surreais e os abstratos também. Substitui a caixa de charutos por câmaras pulsantes para guardar o invisível.

Hoje, quando abri a gaveta e descobri tantas coisas guardadas, percebi-me um acumulador de emoções. Não sei dizer se isso é uma patologia como daqueles que não se desfazem de nada.  Mas, patológico ou não, tenho, certamente, que me livrar daquelas que de uma maneira ou de outra não me fizeram bem.

 Passei a vasculhar as gavetas falando comigo mesmo:

- Retratos com dedicatórias amorosas são demais!

-  Como pude guardar tais blasfêmias?! Vão para o lixo!

- Bilhetinho em guardanapo... COMO ISSO VEIO PARAR NESSA GAVETA?

Dizem por aí o que os olhos não veem o coração não sente. Verdade. Já nem me lembrava desse tempo de amores e de ódios.  Mas dizem também que o tempo cura. Outra verdade. É impossível não cair na gargalhada com tudo isso.

Depois de uma tarde de arrumação, as gavetas ficaram livres para acúmulos futuros. Você pode estar se perguntando agora: ¨ Como acúmulos futuros?¨ Eu respondo. Respondo rindo, respondo des-ca-ra-da-men-te: Quero mais que as minhas gavetas estejam sempre cheias de emoções. Mesmo que sejam de amores impossíveis. Amores que se transformam em raivas momentâneas. O que não quero de jeito nenhum é gaveta vazia. Coração vazio, alma amortecida. Não, não mesmo. Quero todas as facetas, pontiagudas ou não, de um amor.

Às vezes, sou obrigado a guardá-los na gaveta. Guardo antes mesmo de começar. São amores impossíveis; amores bandidos. Amores difíceis de começar.  Tem um, em particular, que estou quase o transportando de mim para a gaveta.  E mesmo guardado, ainda sim, tenho medo dele.  Porque não sei o que será.

Paulo Francisco



6 comentários:

Marly de Bastos disse...

Desde que não nos façam mal, podemos acumular coisas na gaveta do tempo da nossa alma.
Eu guardo tantas coisas nessas gavetas que as vezes me vejo no meio de um turbilhão de emoções que nem sabiam existirem mais dentro de mim.
Ao menos cada uma dessas coisas(na maioria das vezes inúteis) nos mostram o quanto vivemos, bem ou mal...
Deixe o essencial, se resolver fazer uma faxina.
Bjkas doces!

Paula Barros disse...

Acho que sou acumuladora.

Entendo este "troço" de ter medo de alguns amores. kkk

Gosto dos teus textos, dos teus poemas, da tua escrita.

beijão.

✿ chica disse...

Te ler é lindo! Nos prendes até o fim... Realmente acumulamos coisas e coisinhas e na hora da faxina, sentimos alívio. Mas depois...Voltamos a acumular... abração,chica

Ivone disse...

Amei ler sobre os seus guardados, também tenho minhas gavetas, não de amores do passado, pois meu único amor do passado é meu amor presente, portanto lembranças mil de todos os frutos que esse amor me deu!
Amei ler aqui, tens vida longa pela frente, assim como eu acredito que também, viver é crer e acreditar é realizar!
Abraços amigo de alma linda!

Smareis disse...

Eu sempre fui assim, de acumular coisas mais que o necessário...Principalmente de momentos e sonhos, as gavetas nem cabe mais coisas, e eu estou ali apertando, colocando mais e mais... Preciso com urgência de uma limpeza, as vezes me sinto sufocada...

Tava com saudades de ler seus textos.

Deixo um abraço!

lis disse...

Amores empoeirados_ tenho alguns também!
:-))