Bordado


Para Chica

A pele é o recobrimento do nosso corpo. Não consegui continuar lendo sobre o órgão. Parei na primeira frase. Fechei o livro e em seguida olhei para as minhas mãos e meus braços. Toquei o meu rosto e lentamente cheguei ao pescoço e ao tórax. Constatei pela palma da minha mão a idade chegando pela desidratação da epiderme. Exclamei sorrindo:

Estou ficando velho!

- E a alma? E a alma? -perguntei-me repetidamente na penumbra de meu quarto:

- Também se desidrata? Também fica velha e marcada?

Fiquei com a dúvida nas pontas dos dedos. Achei que não conseguiria continuar escrevendo esse texto. Como falar da pele sem mencionar a alma? Não estou aqui escrevendo um texto didático para que os alunos de ciências entendam a importância das camadas da pele e seus anexos. Não é a minha intenção desenvolver tal artigo – este eu deixo para o Professor.

Senti-me um inútil e totalmente travado. Mas a ideia de escrever sobre a pele não saiu de minha cabeça tão facilmente. De quando em vez, o assunto vinha a mim com uma interrogação:

-Vai escrever ou vai desistir?

Já tinha desistido da tal ideia quando entro, antes de dormir, num dos blogs de Rejane e leio: ¨Corremos riscos de na vida, não sabermos conviver com os riscos que nos chegam na pele ou na alma...¨

- Cacete! É isso!

Exclamei ao terminar de ler o texto dela. Não poderia falar da pele sem falar da alma. Não dá pra falar de tato sem falar do sentimento de dentro. Eles estão interligados. São únicos. A sentença escrita por Rejane não saía de minha mente. Riscos na pele e na alma.

Conviver com esses riscos, com os vincos existentes. Entender as rugosidades estampadas na derme. Saber traçá-las com sabedoria.

Ajeitei o travesseiro, virei de lado pra dormir para mais um dia.

Hoje, quando cheguei para trabalhar, percebi com mais clareza os ¨riscos¨ de Rejane. O aceitar ou não a idade existente pela derme e pela alma.

A pele é o recobrimento do corpo. A alma, certamente, é o seu recheio. E os riscos que chegam a ambos, são as marcas merecidas de uma existência. Certo, Chica?

Paulo Francisco

10 comentários:

Paula Barros disse...

Não sei o que Chica acha. Mas eu acho que a alma desidrata. O texto nos leva a reflexão.
beijo

✿ chica disse...

SENSACIONAL,Paulo! Obrigadão pelo carinho! Adorei te ler e falar da pele do corpo e da alma com tanta propriedade.

Ficou muito lindo,verdadeiro.És DEZ mesmo!!!

abração,tudo de bom,chica

SOL da Esteva disse...

Pois é, Paulo. Enquanto a pele se enruga com a idade, a Alma vai-se alisando com a Sabedoria e Vivência.
Belo Post .



Abraços


SOL

sandra mayworm disse...

Olá Paulo,
Um questionamento importante..obrigada por tê-lo escrito.
Eu fui indicada prá responder uma tag e ao final indiquei seu blog e fiz um link.É a postagem de hoje. Se você quiser e puder fazer o mesmo...então é o meu entrevistado. Estive conferindo e você está entre os primeiros seguidores de Letras que se movem.Fiquei emocionada quando fui procurar você pra copiar o end do seu blog, por gostar dos seus escritos, quando vi seu nome lá entre os primeiros. Abraço!


Luma Rosa disse...

Oi, Paulo!
Não sei se realmente a alma habita o corpo todo, muitas vezes a alma é a própria razão. Mas uma coisa eu sei; perder o entusiasmo pela vida provoca rugas na alma.
Uma bela homenagem para a Chica, ela merece!!
Beijus,

Nelma Ladeira disse...

A pele envelhece,mas a alma só depende de nós!!
A minha avó ela tinha 94 anos,usava salto alto,recitava os mais belos poemas...
A pela e a alma claro que moram juntas.
Mas a velhice nem sempre!
Interessante texto!
Obrigada pela visita.
Beijinhos.

Aparecida Ramos disse...

Oi querido amigo! Vim agradecer suas visitas em meu Blog! Sua página está linda!!! Feliz domingo e uma noite super tranquila te desejo!! Beijos e ternuras no coração!!

Vera Lúcia disse...


Puxa! Ficou demais o seu texto. E que bom que através de palavras da amiga Chica você encontrou a inspiração que faltava para elaborar o texto desejado. Sua conclusão foi perfeita: "os riscos que chegam a ambos são as marcas merecidas de uma existência".
Marcas na pele e na alma são inevitáveis. Contudo, ao contrário da pele, a alma, como espírito eterno, poderá permanecer jovem, dependendo da idade que escolhemos para ela. A minha, embora com marcas, é novinha e sorridente-rsrs.
Lindo!

Na oportunidade, deixo-lhe meus votos para um Natal de bençãos, luz e paz. Que 2015 lhe seja portador de muitas conquistas, lindas inspirações, além de saúde, paz e muitos momentos felizes.

BOAS FESTAS.

Abraço.

Ani Braga disse...

Oi Paulo querido


Eu também acho que a alma desidrata.
Vai criando riscos... Mas acho que isso é bom, nos dá a oportunidade de aprendermos.


Beijos

Ani

:.tossan© disse...

Grande texto, poético do princípio ao fim. Lirismo!
Feliz Natal e ano que vem. Abraço