Colecionáveis







As minhas coleções nunca foram adiante. Tentei, e como tentei ter uma coleção. Comecei com álbuns de figurinhas de jogadores das seleções mundiais, mas nunca completei um álbum sequer e nem conheci ninguém que tenha conseguido a tal figurinha carimbada.  A coleção de moedas até que me deu certo prazer por um tempo, mas elas ficavam condicionadas em latas de leite em pó e acabei perdendo o interesse em tê-las escondidas.

Depois, tentei uma que me desse status de colecionador, tirei todos os selos das cartas de meus pais guardadas há décadas e quase levei uma surra.

Olhava as coleções de carrinhos de meus amigos e invejava-os com tamanho cuidado com os seus brinquedos de metal. Os meus eram pra brincar, e assim o fazia, nenhum era perfeito. Todos apresentavam quilômetros e quilômetros rodados pelo quintal e ruas barrentas.

Mais tarde colecionei gibis, mas terminei doando pra alguém mais interessado em lê-las do que em tê-las. Depois, foram os clássicos da literatura. Guardava-os, depois de lidos, como  objetos de coleção. Esses foram doados pelas mãos de minha mãe, numa mudança repentina. Eu fui para um lado e José de Alencar, Machado de Assis, Aluísio de Azevedo, Eça de Queiroz, Manoel Joaquim de Almeida, acompanhados por Nelson Rodrigues, Fernando Sabino, Raquel de Queiroz, Luis Fernando Veríssimo, Rubem Braga, Paulo Mendes Campos, Stanislaw Ponte Preta e muitos outros, para o outro lado – o lado do desconhecido. Nunca soube onde foram parar.

Uma coleção pra ter seu valor, tem que estar dentro de normas incríveis de conservação. Seguir regras de colecionador não é pra qualquer um.  Tem que estar intacta, dependendo da coleção, nunca violada. Então, eu ria e muito, quando meu primo se referia como coleção as suas revistas da playboy e afins. Revistas mais que usadas e lambuzadas. Um armário lotado de beldades do mundo todo. Eu me contentava com os calendários guardados no fundo da gaveta – já tinha o bastante pra ser chamado de colecionador.   
       
Tive várias outras coleções: canetas, isqueiros, chaveiros - e nenhuma terminou comigo. As caixas entomológicas devidamente etiquetadas foram surrupiadas por colegas da Faculdade.

Ainda tenho guardado, quase que por um milagre divino, resquícios de uma coleção de miniaturas de dinossauros. Não contei, mas vão pra mais de cem. Estes passaram pelas mãos de João, meu filho, mas ele não se interessou em tê-los sobre a guarda de meus olhos. Perdi alguns exemplares na distração e guardei, mesmo assim,  alguns degolados e pernetas. Ainda não foram extintos totalmente.

Matheus, o filho de Alessandra, quando vem aqui em casa, gosta de brincar com as peças. Chato mesmo é quando ele dana a me perguntar o nome de cada um deles. Aí o dinossauro pega! Tenho que recorrer aos livros, pois já não me lembro do nome de todos.

Mas o que eu gosto mesmo é de colecionar amizades.

Têm algumas amizades que se tornam raras, daquelas que se guarda em papel especial e se conserva com muito carinho.

Por outro lado, têm as que tentamos em vão. Não seguem adiante. Desandam. Mas quando isso acontece é porque as peças não eram verdadeiras; não eram dignas de serem colecionadas como amigos – alguns conseguem ficar na categoria de colegas.

Já fui enganado muitas vezes por réplicas perfeitas. Jurava que eram genuínas e depois de certo tempo, apareciam falhas imperdoáveis pra uma coleção tão importante: um defeitinho de caráter aqui, um egoísmo ali, a pintura que se desgasta e logo aparece a decepcionante cor fora da série original. Não tem nada pior que uma peça desbotada. As minhas têm cores fortes e vibrantes.

 Geralmente, eu não jogo fora, mas deixo-as de lado, num outro compartimento – o dos conhecidos.

 Eu tinha uma réplica tão perfeita, mas tão perfeita, que a coloquei na primeira prateleira da coleção de amizade, achando que fosse original. Mas, quando a peça foi mudada de lugar, começou mostrar-me certas linhas de conduta que jamais uma peça original de minha coleção teria. Mas, mesmo assim, não querendo acreditar que tivesse sido enganado por tanto tempo, deixei-a no mesmo lugar por um bom período – uma espécie de quarentena. Pois, uma coleção, não pode ser contaminada por agentes estranhos. Tem que estar sempre de olho pra não perder todas as peças de uma coleção tão rara como essa. Então, resolvi tirá-la da quarentena e a deixei num compartimento inferior – o dos replicados.

As minhas coleções nunca foram adiante. Exceto a da amizade. Posso até perder uma peça, mas, no lugar da perdida, sempre tem outra de maior valor. Até porque, este tipo de coleção, tem poucas peças. São raras. Aparecem num largo espaço de tempo.

Ah! Aquela peça que me enganara por um bom tempo. Dei um jeito nela. Exterminei-a por completo de meu convívio.

Eu não tenho e nem quero ter uma coleção de traidores.

Paulo Francisco



5 comentários:

SOL da Esteva disse...

Um bom tema para chegar a um lugar onde a Amizade mora. Verdadeiramente é a "peça" mais preciosa a se abordar e coleccionar,
uma jóia a guardar e conservar.
Que o Ano Novo te traga mais "jóias" para que a colecção apenas edifique o Espírito.
Que sejas Feliz.


Abraços



SOL

Aparecida Ramos disse...

COLEÇÃO DE TRAIDORES/AS? EU TAMBÉM NÃO!!!!! rsrsrs Olá! Que texto mais interessante, Paulo!! Amei!!! Breve irei publicá-lo em minha página/Blog, com vossa permissão, lógico! Desejo-lhe BOAS FESTAS E ANO NOVO DE PAZ, ALEGRIA, LUZ, TERNURAS, AMOR E PROSPERIDADE!! GRANDE ABRAÇO E TERNOS BEIJOS, COM MINHA GRATIDÃO POR SUA AMIZADE PRECIOSA E PRESENÇA LINDA E MARCANTE EM MEU CANTINHO rosachoque... Feliz 2015!!! Até...

Adelisa Silva disse...

Olá, bom dia! Obrigada pela visita!
Gostei muito do seu blog e do seu texto! Profundo e verdadeiro!
Um Feliz e abençoado 2015 pra vc!
Um grande abraço, Adelisa.
http://adelisa-oquerealmenteimporta.blogspot.com.br/

manuela barroso disse...

Há gostos para tantas coleções. Mas coleção de amizades, não pensava que existissem, só de conhecidos! É que são tão raras que não dá para colecionar...
Bom Ano!

ania disse...

Olá, Paulo..li alguns de seus textos e fiquei boquiaberta diante de seu talento na escrita...Meu Deus, vc escreve bem demais! Seus textos fazem com que se queira ler mais e mais...meus sinceros parabéns por esse dom maravilhoso e pela sensibilidade que vc possui! beijos, ania..