Jeitinho carioca



Adorava quando ela me chamava de crioulo. O som de sua voz chegava aos meus ouvidos, doce como a própria cana-de-açúcar na minha boca. Era um crioulo arrastado, cheio de charme e manso. Preenchia a casa, vestia-me a alma. Era impossível não atendê-la de imediato. E ela sabia que aquele chamado era ópio na veia.  Deixava-me cheio de vontade e aí  conseguia tudo o que queria. Apanhava o pote que a danada não conseguia alcançar no armário; abria os potes de conservas; entrava embaixo da cama como uma serpente desengonçada para procurar a tachinha do brinco que pulara de suas mãos. Era impossível negar qualquer coisa depois de ouvi-la com aquela canção melosa e sedutora.

Nunca tive apelido na rua. No máximo era chamado no diminutivo. Carioca adora esse sufixo afetivo - inho.  Ela também. Mas não para Paulinho, e sim para neguinho.  Não neguinho como pessoa indeterminada. Mas um neguinho apaixonado, doce, que chegava me deixar em êxtase com o tanto de carinho declarado.

O mais gostoso de tudo, é que não era a toda hora, a todo o momento.  Era de quando em vez e quando estávamos sozinhos. Do contrário, deixaria de ser uma coisa gostosa e se tornaria comum, oportunizando as outras pessoas a me chamarem assim. Era um crioulo, um neguinho, nunca gritado, mas cantado. Melodia amorosa e sedutora que me enchia de tesão. A coisa ficava melhor ainda, quando as quentes palavras vinham acompanhadas de cafuné na cabeça. Dedos raspando a cabeça era sinal de apelo amoroso. Carioca herdou o chamego dos nordestinos, que por sua vez herdaram de nossos índios. Filho de dois nordestinos, com um pé no terreiro africano e o outro nas clareiras indígenas, tem que gostar de chamegar. Impossível não gostar.

Dois episódios engraçados aconteceram com essa coisa de apelidos amorosos. Um aconteceu com uma colega de trabalho quando falava com seu marido ao telefone. Era sempre  um tal de docinho pra lá, um tal de docinho pra cá, que todos que estavam na sala se entreolhavam sempre. Até o dia que o camarada foi apresentado para nós e não perdemos a oportunidade de ficar o tempo todo chamando o homem de docinho.  Nunca mais ela o chamou assim na nossa frente. Carioca adora zoar.

O outro, menos engraçado aos olhos de quem narra esse texto, foi quando num restaurante, reunido com alguns amigos e amigas, depois de muitos risos e cervejas, chamei uma colega do trabalho de preta numa conversa distraída. E, sem perceber, acrescentei gasolina na fogueira, quando derrapou de minha garganta uma pretinha quase melódica. Não percebera a mancada até receber em casa uma sandália na testa.  O crioulo ficou roxo e levou o seu galo para o terreiro.  As cariocas são tão ciumentas.


Paulo Francisco


5 comentários:

lua singular disse...

Nossa Paulo,
Eu tenho aqui em casa um intelectual crioulo safado: meu filho.
Eu sou mineira, já ouviu falar do mineiro de fala mansa, mas que consegue sempre o que quer?kkk
Adorei sua crônica.
Parabéns
Beijo no coração
Lua Singular

lua singular disse...

Oi Paulo,Desculpe o transtorno.
Ao invés de visualizar, postei, era pra ser hoje. Aí, não sabia se postava ou não. Retirei comentários e agora acertei postei certo. Pronto.
Beijos no coração

Não me perder em minha vida disse...

como sempre, gosto muito do seu modo de dizer da vida com as palavras. Sigo passando como sempre

Não me perder em minha vida disse...

como sempre, gosto muito do seu modo de dizer da vida com as palavras. Sigo passando como sempre

SOL da Esteva disse...

Pois, Paulo Crioulo. A vida tem estes cambiantes.
Gosto do modo como contas as tuas histórias.



Abraço



SOL