Leave me alone





Deixe-me em paz!
É bom acordar com a brisa segredando na orelha. É muito bom acordar com a felicidade iluminando o quarto e desejando bom dia. Acordei com a esperança vestida de flores. Por mim, ficaria aninhado no colo do dia e jogaria os compromissos para o alto e deixaria o vento encarregado de levá-los para bem longe. Mas como no meu jardim não há somente flores, e as daninhas existem e têm seus significados, levantei para mais um dia.
Às vezes temos que driblar o inimigo, usando a sua própria arma:
- Bom dia, Paulo!
- Booom diiiiia!
Gosto de quebrá-lo na incerteza.
Deixe-me em paz!
Não é uma regra, mas há dias em que prefiro ficar sozinho. Nada de gente, nada de conversas fiadas. Quem me conhece de verdade sabe.  O silêncio me basta. Mas como entender o outro não é para qualquer um; ela acha que vivo isolado demais, que não dou oportunidade de conhecer alguém legal e que o meu castelo é cercado por um fosso cheio de crocodilos. Talvez ela esteja certa. A ponte levadiça está, na maioria das vezes, levemente erguida. Mas de quando em vez o salão nobre é aberto e as festas são demoradas e o meu Burg se transforma num autêntico schloss, enfeitado de flores e cortinas vermelhas.
 Já gostei mais dessas semanas guardadas em convites e vinhos. Às vezes era melhor mentir pra não ferir.
- Onde é que você estava?
- Aqui!
- Liguei pra ti e nada.
- Estava naqueles meus dias de reclusão
- Entendi...
Deixe-me em paz!
Mas nem tudo é literal nessa frase. O desassossego está na sua falta. E que o meu deixar em paz é estar aconchegado em seu ventre. É respirar perfume de flor. É sentir a leveza aromática de suas pétalas. É saber que o tempo é regido pelo batimento cardíaco em seu peito. Que a brisa que vem da janela nos entrelaça com fita dourada. Que o sol é coadjuvante na quentura de nossos corpos. Que o infinito é o nosso teto de madeira. E que é necessário esse silêncio de nós dois. E nessa calmaria repentina, digo:
Sim, deixe-me em paz, ficando aqui comigo.
Sim, deixe-me em paz, abraçando-me em dias frios e quentes também.
Sim, deixe-me em paz, ouvindo suas gargalhadas divertidas.
Sim, deixe-me em paz, com a certeza de sua existência.
Deixe-me, deixe-me em paz, dizendo baixinho, na ponta da minha orelha, que você já sabe o meu caminho.

Paulo Francisco







21 comentários:

✿ chica disse...

Um lindo pedido de paz, querendo estar perto...abração,chica

ania disse...

Reflexivo, muito bem construido...lindo, lindo...me encontrei eu teu texto. Parabéns Paulo por saber expressar tão bem o que te vai pela alma! abraços, ania..

Nelma Ladeira disse...

Lindíssimo texto!
Deixe-me em paz...é tudo que eu peço.
Adoro ficar isolada em meu canto,com as minhas recordações.
Boas lembranças que não volta mais.
Bom dia Paulo.

Marineide Dan Ribeiro disse...

Paz foi o que sempre almejei na vida... Finalmente a encontrei!

Um abraço!

Ivone disse...

Lindíssimo, nossa, amei ler!
Como é bom estarmos em nossa companhia, mas não seríamos felizes sem a companhia de alguém que nos dê alento, conforto, porque não um bom colo né mesmo?
Ah,felicidade, li e reli, senti uma leveza incrível nesse maravilhoso exercício!
Deixo abraços bem apertados!

Paulo Silva disse...

Há melhor que paz? grande abraço.

Gracita disse...

Uauuuuuuuu
Quanto lirismo e sensibilidade neste seu magnífico conto Paulo
Amei as metáforas e os seus coadjuvantes meu amigo.
Ficar neste recluso em ótima companhia é soberbo.
Beijos com carinho

lua singular disse...

Paulo
Adorei seu conto mágico
Você me fascina com seus escritos.
Entre no site da Veja, tem lá um concurso de contos.
Beijos

POESIAS SENSUAIS E CONTOS disse...

Quanta inspiração. Lindo conto... "Não é uma regra, mas têm dias que prefiro ficar sozinho. Nada de gente, nada de conversas fiadas. Quem me conhece de verdade sabe". Parabéns amigo.

lis disse...

E sendo assim vou repetir esse mantra mil vezes_'deixe-me em paz'
porque a minha paz é também a tua. Gostei abessa!
e deixo beijos

Acordar Sonhando . SOL da Esteva disse...

Desejos de que te deixem em Paz. Merece-la. Cada Ser a merece.
Um belo Texto.



Abraços



SOL

✿ chica disse...

Paulo, adorei a coincidência...Tu arrumando os livros... E vi que terás um blog novo .Será pra eles, os livros? abração,chica

Vera Lúcia disse...


AH! Que lindo, Paulo!
Além da leitura deliciosa a escrita ainda oferece belas figuras poéticas.

Deixar em paz traz logo um sentido mais agressivo, mas aqui ele está inteiramente em seu oposto. Deixar em paz, aqui, é ficar em paz com a presença e carinho da pessoa amada.

Você arrasa na escrita.

Feliz semana.

Beijo.

A Casa Madeira disse...

Geralmente quando se gosta a fala realmente é o
oposto do que aquele que se expressa quer dizer.
Somos seres complicados; mas decifraveis.
Prazer em conhecer.
Janicce.

Carmen Lúcia.Prazer de Escrever disse...

Tenho o prazer em conhecer esse blog e ver um conto bem interessante e
reflexivo.Você dialoga com si próprio enaltecendo o perfume da flor,o aroma das pétalas,o laço de fita dourada que vem da janela e muito mais que um poeta gosta de descrever e ficar em paz consigo mesmo.
Gostei muito.
Abraços.
Carmen Lúcia

Anete disse...

Texto muito bom, Paulo!
Muita paz e sossego...
Um abraço

Nidja Andrade disse...

Adoro paz... adoro estar em paz... mas prefiro uma paz a dois!
AbraçO

Luma Rosa disse...

Oi, Paulo!
Há dias de limpeza no jardim para retirar as ervas daninhas, mesmo que a nossa vontade seja apenas agoar. Tratar o jardim é investimento para nos dias de florada para apreciar o trabalho realizado, sentir o perfume do mato e deixar que a paz nos invada.
Todos nós precisamos de momentos encastelados. Uns mais, outros menos...
:)
Boa semana!!
Beijus,

VitorNani disse...

Bonita forma de desejar uma solidão dividida, compartilhada!
Quero ficar só, mas só contigo.
Deixe-me em paz, mas fique comigo!
Forte abraço, Paulo Francisco!

Tais Luso disse...

Quando estamos rodeados de muita gente, como conseguir paz?
Não é por aí, quem tem vida interior jamais padecerá de solidão...
bjus!

Acordar Sonhando . SOL da Esteva disse...

Dei espaço para ti.
Esmerei na tua paz.
Mas, as Férias, bem-te-vi.
Cada um sabe o que faz.



Continuação




Abraços



SOL