Lembranças





Momentos guardados podem ser esquecidos. Pessoas também.  Quando a olhei depois de tanto tempo levei um susto. Perdi-me entre as nuvens carregadas que chegaram de repente. Tinha guardado uma imagem que não mais existia. Ela tornou-se uma fotografia apagada e corroída. Meus olhos duros - sem nenhum disfarce  -  procuravam por algo que não estava mais ali. Dentro, buscava sentimentos antigos e não encontrava. Revolvia, desesperadamente com as mãos, as paredes do coração na certeza de sentir as cicatrizes que pensava ainda existir. Tudo apagado.  A mágoa evaporara e eu não percebera. Olhava-a como se a estivesse vendo pela primeira vez. Outra imagem surgia do escuro.

Há momentos que valem à pena ser vividos. Esse foi um instante revelador. Curei-me sem dor. Não houve absolutamente nada – o céu não sangrou. De repente ela não fazia mais parte de minha vida antiga. Foi um suspiro longo de alívio e ressurreição.  Mesmo percebendo de quando em vez, pelo aço da porta à nossa frente, os seus soslaios sem importância, não deixei de sorrir. A megera fazia parte de um passado pulverizado pelo tempo e levado pelo vento.  Vida nova, personagens novas - pensei.  A vida continua. O agora é o momento pra ser vivido - continuei pensando. E seguimos, certamente, caminhos opostos numa bifurcação além do muro.

Momentos guardados podem se transformar em tesouro. Pessoas também.  Toda vez que nos encontrávamos era uma alegria sem fim. O céu ficava pintado de nuvens brancas e miúdas. Momentos curtos guardados a sete chaves. Gostava de seu sorriso, de sua alegria quase infantil, de sua vontade de viver. Paisagem de cores fortes e ao mesmo tempo de uma delicadeza sem fim. Pessoa bonita que acariciava a minha alma e me deixava solto, leve como a vela de uma jangada ao mar. Seguíamos abraçados  sem olhar pra trás. Porque mais a frente sempre tinha algo para se aprender. Caminhadas curtas, sem grandes expectativas de futuro, porque o agora era o que tinha pra ser vivido.

 Já se passou tanto tempo desde o nosso primeiro encontro, e continua sendo uma festa a cada novo encontro. E será sempre assim – música pra se dançar. E será sempre assim o nosso encontro - claro como a paisagem de uma primavera de outubro. Porque é etéreo o que sentimos.



Paulo Francisco


17 comentários:

✿ chica disse...

Lindo te ler e tuas lembranças!Andavas sumido ou eu não te vi? abraços,chica

Maria Luiza disse...

Seus escritos me atiçam sempre, me ensinam também, já que gosto tanto de escrever! Gostei muito dessas lembranças!

Maria Luiza disse...

Desculpe-me, toquei sem querer no publicar, mas deixo aqui o meu abraço e o melhor para si!

Débora Teixeira. disse...

É muito bom recordar,mais infelizmente o tempo não volta.
Pelo o que descreveu,foram bons momentos...Isso é que importa.
Mais com certeza a cada encontro,será o primeiro.
Lindo texto Paulo.
Beijos.

Rita Freitas disse...

Um texto tão belo e singelo mas que diz tanto.

Gostei imenso.

bjinhos

Gisa disse...

Imagens que fogem... Lindo texto.
Um grande bj querido amigo

MARILENE disse...

Quando se revisita o passado, encontra-se imagens de grande beleza, que já não mais existem no presente. Mas há no presente outras imagens, cobrem as cicatrizes e tudo iluminam. Bjs.

Acordar Sonhando . SOL da Esteva disse...

Duas páginas de, e da, Vida. Dois sentimentos que não podem ter comparações.
Gostei.

Abraço
SOL

Marli Terezinha Andrucho Boldori disse...

Bom dia, Paulo, obrigada pela visita e comentário!
Logo estarei visitando você com mais tempo! Grande abraço!

Nelma Ladeira disse...

Lindíssimo texto! Momentos guardados podem se transformar em tesouro. Pessoas também.Concordo com você Paulo.
Vim agradecer o seu carinho,e seu lindo comentário.
Beijos.

Vera Lúcia disse...


Lindo, Paulo!
Leio-o sempre com imenso prazer.
É verdade. Há momentos e pessoas que deixam marcas ou não, e é no eventual reencontro que podemos avaliar o grau de representatividade que tiveram ou continuam tendo em nossa vida.

Você ficou rindo por lá, das picuinhas, e me deixou rindo também-rsrs.

Grande abraço.

Evanir disse...

Hoje decidi deixar uma pequena homenagem
a nossos idosos .
Aquele que são a razão do nosso
existir e viver.
Sem duvidas me coloco entre eles
no lugar deles confesso é triste o abandono.
A você na flor da vida com um longo
comigo quem sabe gostará de ler e ver um futuro
que vivendo passaremos por ele uma dia.
Benção de Deus para sua semana.
Beijos saudades.
Evanir.

manuela barroso disse...

Um momento recordando momentos que deixam marcas que não são momentâneas! Uma narrativa parecendo início de uma novela: apetece continuar a ler
Bjo

Ana Freire disse...

Um belíssimo texto... e um excelente espaço que adorei conhecer, por aqui...
Estamos em artandkits.blogspot.com se nos desejar visitar...
Abraço!
Ana

Vieira Calado disse...

Pois tem bom gosto.
E isso não será "chique"?
Eu também adoro a poesia e tudo quanto seja cultura.
Sou "chique" nestas coisas..
Um forte abraço!

Sinval Santos da Silveira disse...

Olá, amigo Paulo Francisco !
Mas que lembranças marcantes, lindas e poéticas !
Parabéns, com o meu fraterno abraço.
Sinval.

Suzane Weck disse...

Ola ,adorei tua visitinha....e teu texto maravilhoso.Que bom que tua cura foi sem dor..... Vejo o passado relacionado á pessoas com viagens feitas no auge de nossa juventude.....tudo è maravilhoso,tudo que se prova é no minimo interessante,novidades vistas por todos lados,enfim beleza pura....Depois de um certo tempo retornando ao mesmo lugar.....parece que tudo que vimos antes deixou de existir...Aliás estou falando isto por minha pessoa,talvez outros não tenham a mesma idéia ou não tenham percebido.