Diversidades








Gosto da amplitude do olhar; da vastidão à frente; do admirar de cima para baixo e vice-versa. Mas o que me fascina de verdade são os pequenos detalhes. O quase invisível. Perceber e transformar um instante numa tela imensa e cheia de cores, mesmo que elas sejam matizes de cinza.

Suas mãos denunciavam sua aflição. O seu grito parou na garganta e o seu olhar encharcou aquele instante. Paralisou-se diante do mundo. Seus pensamentos seguiram por caminhos nublados difíceis de serem alcançados. Correu ajudada pelo vento. Revisitou seu passado para certificar-se que ainda estava viva. Criou coragem e se debruçou em seu desejo mais carnal. Sim, ela estava viva. Sua mucosa brilhava. Seus olhos brilhavam. Seu coração acelerava a cada segundo chegado.  O seu corpo exalava vida. Ela tinha cheiro de flor.

Gosto do gesto largo; do sorriso frouxo ou do acanho tingido nas faces dos tímidos. Mas o que me encanta são alguns movimentos inesperados. Como a folha que vai caindo lentamente como se quisesse chegar ao chão num pouso suave e definitivo. Como a formação de um redemoinho no chão coberto de areia.

Ela chegou mansa. Seus gestos felinos denunciavam sua curiosidade quase infantil. Procurava, no som da minha fala, a ponta do fio que teceu a minha alma. Tentava a todo custo decifrar-me – coisa que ainda não consegui. Olhava-me como se fosse pela primeira vez. Às vezes, também me olho assim.

Gosto do dourado do verão. Da certeza da chuva no final da tarde. Dos corpos seminus passeando descontraídos na areia da praia. Mas é no outono que me sinto bem. O céu é mais azul. As árvores desnudam-se parcialmente, nos ofertando um pouco de sua sombra. Gosto da indecisão do tempo; da incerteza do dia; da surpresa a cada hora existente.

De repente o céu entristece. O sol vai embora. A noite chega clara. O vento molha o corpo. E ela chega como raio dizendo-me:

- Tenho saudade.

De repente o telefone toca. O coração fica em dúvida. A conversa fica engraçada. Transforma-se numa cantada. E a despedida é uma incógnita.

De repente o gato preto salta do muro. O passarinho voa alto. O vento bate em minha cara devagarinho. Tulipa Ruiz faz barulhinho na sala. O carteiro grita meu nome. O sorriso estampa na alma. E ela se convida a ir a minha casa, mandando-me duas garrafas de vinho.


De repente tudo fica parado à espera de um resultado que só depende de mim.





Paulo Francisco

5 comentários:

Nelma Ladeira disse...

Bom dia Paulo
O amor nos transforma.
Ele é vida!
Perfeito! Adorei ler cada Frese,cada palavra.
Beijos.

✿ chica disse...

O Natal se aproxima...

As luzes cada vez mais brilham nas ruas...

Que no Natal a maior luz brilhe dentro de cada coração. Essa é a que vale realmente!

Mesmo ausente e ainda assim ficarei por algum tempo,vim apenas deixar meus votos de um Natal maravilhoso e 2016 recheado com tudo que cada um desejar! Por motivos óbvios, trago mensagem colada, mas vale a intenção e desejos!

beijos, chica

Nelma Ladeira disse...

Cada frase cada palavra.

crazy40blog disse...

Uma escrita que nos leva... ao fundo do coração :)
Gostei!

MARILENE disse...

Que beleza de texto, Paulo! Uma escrita primorosa, que me encantou. Descreveu gostos, momentos, gestos, ansiedade... de forma especial, movida por sentimentos. E concluiu com o poder nas mãos. Parabéns!!

Desejo que viva um iluminado Natal, ao lao dos que lhe são queridos. E que 2016 lhe abra muitas portas, possibilitando grandes realizações. Bjs.