Lembranças

Hoje, não sei o porquê, lembrei-me de alguns colegas de minha infância. Eles me ensinaram como eu deveria ver o mundo. Sim, os meus amigos, ensinaram-me a traduzir o mundo. Por exemplo, o Adilson e sua irmã Preta, dois irmãos de uma ninhada de seis (eu acho). Eles eram os únicos daquela trupe que tinham algo a mais para nos oferecer. Eram os mais inteligentes, os mais criativos, os mais felizes. Quem disse que pelo fato de não poderem andar deixaram de correr o mundo?.


Paulo Francisco

3 comentários:

Paula Barros disse...

A força de viver e a sensibilidade destes que tem algum dificuldade, seja visual, auditiva, motora, mental é invejável, é estimulante, é impressionante...

E o seu texto, parabéns!
beijo

Patrícia Pinna disse...

Boa tarde, Paulo. Geralmente quem apresenta mais dificuldade em um ou mais aspectos, são justamente as pessoas que mais lição de vida tem a nos ensinar.
São normalmente pessoas perseverantes, e nós, os que não temos tantas aparentes dificuldades, geralmente reclamamos de quase tudo e desistimos com maior facilidade.
Beijo grande e tudo de bom!

Não me perder em minha vida disse...

bonito assim, simplesmente