Antes só...



- Que mala! Exclamei. Não pensei nesta altura do campeonato encontrar um mala por aqui. O camarada é chato – delira.

Estava parado no ponto, quando veio um cidadão perguntando onde ficava uma determinada rua. Calmamente, indiquei o caminho certo. Ele ouviu, olhou pra mim, fechou os olhos e desembestou a contar o seu problema. Fiquei estático, ouvindo aquela conversa que não me interessava nem um pouco. A angústia tomava-me todo e já sem paciência pensava: ¨ E a porra do ônibus que não chega!¨


Hum hum! Era o máximo que saía de minha boca.


Ufa! O ônibus chegou, quase entrei com ele ainda parando. ¨Livrei-me de um mala¨ – falei baixinho.


Não queria ir pra casa. Queria refletir, com a ajuda de uma cerveja, os meus problemas. Sentei num banquinho de madeira no Bar do João (o meu bar preferido). Pronto, um gole da gelada e a paz reinada na alma de quem lhe escreve.


Às vezes, tem dia que não dá. Adivinha? Um camarada do outro lado do balcão me mirou e já foi logo dizendo: ¨Meu amigo, você viu o jogo ontem?¨ Já fui falando mais que depressa: ¨Não!¨ E percebendo o que o etílico queria fui abrindo a mochila e pegando o primeiro livro: Além do bem e do mal de Nietzsche – abri em qualquer página e ¨comecei¨ a ler.


O camarada não se intimidou. Começou a falar de seu time que perdera, porque o juiz não dera um certo pênalti. Incrível, não olhei para o camarada, mas ele não queria o meu olhar, ele só precisava de meus ouvidos. Já estava decidido a parar por ali. Quando ouço: ¨ Oh! João, a saideira¨ O homem tomou a cachacinha mineira e partiu. Falei baixinho: vai, vai para a ...! O João caiu na gargalhada. Ele adora, só fica me olhando com um sorrisinho de canto


O bar estava calmo, entrava um pedia uma coisa e logo ia embora, guardei o Nietzsche e subi para colocar uma musica – cavaquinho seresteiro.


Música no ambiente, um papo com o dono do bar e tudo certo. Foram chegando um, dois, três, seis. dez. Bar cheio. Um falatório só, mas nada que perturbasse.


Eu ali, ouvindo as conversas: de futebol, de trabalho. Piadas e gargalhadas. Desce uma porção de dobradinha, desce uma porção de língua, desce uma bandeja de torresmos, bolinhos de bacalhau, caldinho de peixe e outras iguarias, para os olhos e estômago de quem pedia.


Eu na minha terceira cerveja. respondia a um, falava com outro.mas não me estendia.

Depois de certo tempo, o bar diminuiu de público, o silêncio se restaurou e quando pensei em pedir mais uma cerveja, quem eu vejo do outro lado da calçada chegando?: O baixinho, o Valmir e o Russo

Olhei para a cara do João e disse: a conta!


Têm dias que o melhor é não sair de casa, não ligar a TV e nem tampouco o PC.

Não é mesmo?

Paulo Francisco

5 comentários:

✿ chica disse...

Putz, esses malas nem com alça de ouro,rs ...
Divertido te ler! abraços,chica

Ivone disse...

Concordo com você, tem dia que é mesmo de nos deixar com vontade de mandar todo mundo para "aquele lugar", principalmente depois de ouvir os "poblemas" de pessoas desavisadas, rs, mas gostei de ler aqui, sabe que até rendeu um ótimo texto, quem sabe pessoas assim como o tal sujeito do ponto do ônibus e o do bar, possam ter um pouco de bom senso.
Amigo querido, amo ler por aqui, me descontrai algumas vezes,rsrs!
Abraços!!!

Van disse...

Oi Paulo

Em dias que só nós podemos nos ter, o mundo continua a querer nos absorver para alívio de suas solidões.

Tenho muito poucos desses dias, mas quando os tenho...
Conheço o sentimento que você descreveu.

Abraços

Simone MartinS2 disse...

Eu dei muita risada com seu texto, porem, e bem assim mesmo. O melhor e ficar em casa na companhia de si mesmo.
rsrsrs...muito bom!

Luciah López disse...

Excelente!Aplausos, muitos aplausos!! __________LL