A namorada

Resultado de imagem para girassóis


Ela estava ali para ser admirada. Impossível não notá-la. Meus olhos brilhavam ao vê-la debruçada no muro de concreto. Sentia uma imensa vontade de contravir; de tirá-la de cima daquele muro frio e levá-la direto pra casa. Mas o que diria, quando me perguntassem onde a encontrei? Diria que infringi a norma da casa e a roubei do vizinho?  Não, não seria honesto com o vizinho e muito menos com quem me educava.  Então, passei a admirá-la mais de perto. Escalava o muro e a cheirava profundamente. Nunca uma rosa branca fora tão perfumada. O dono da casa e da rosa descobriu-me e acabou virando meu amigo. Contou-me a história da roseira – uma história mais linda que a flor.

Admiro aqueles que conseguem cultivar flores, que as tratam com carinho, doando seu tempo para mantê-las vivas e fortes. Uns dizem que é dom, outros dizem que é técnica. Prefiro dizer que são ambos misturados com amor. Acredito que sejam pessoas apaixonadas pela cor e pelo perfume delas, pessoas pacientes e sonhadoras. Não estou aqui enaltecendo os paisagistas – estes são profissionais. Estou me referindo aos domésticos que fazem o que fazem por hobby, os jardineiros amadores que fazem de um lugar monocromático um lugar perfumado e colorido. Um lugar todo deles.

De repente o terreno baldio ficou coberto por girassóis.  Sempre passava pela rua e reparava aquele lugar jogado, cheio de entulho e mato alto.  Mas alguém teve a delicadeza de limpá-lo e flori-lo com girassóis – os passarinhos agradeceram. O verão ficou mais florido.

Nunca fui bom em plantio. Não pela bobagem de ter ou não ter mão boa para isso. Mas pela falta de paciência, dedicação e técnica. Gosto do imediato, do agora. Não sei esperar.

Ela não estava ali somente para ser admirada. Meus olhos brilharam quando a vi pela primeira vez.  Senti uma imensa vontade de tê-la, de levá-la imediatamente comigo. Mas ela era mais que uma Rosa debruçada num muro de concreto. Levei-a comigo em meu coração. Desejo secretamente aflorado em arrepios e calafrios.  Não por muito tempo. Pois, depois de alguns encontros e desencontros, ficamos juntos fazendo história por uma estação.


4 comentários:

✿ chica disse...

Que linda história de amor e flores! Bom te ver! estavas sumido! abraços, chica

Artes e escritas disse...

Essa sua postagem me fez recordar o filme Os Girassóis da Rússia, um filme do tempo da guerra fria. Se algum dia você tiver a oportunidade de assistir, fica a sugestão. Um abraço, Yayá.

Ivone disse...

Linda sensibilidade, também amo as flores, cuido do meu quintal com as minhas plantas floridas e também das minhas arvoretas frutíferas, plantadas em vasos bem grandes!
Que prazer voltar a te ler!
Abraços apertados!

sandra mayworm disse...

Hoje nasceu uma flor "Amarilis" no mato, aqui em casa. Vermelha, vibrante e linda!
Entendo perfeitamente a sua relação com a rosa debruçada num muro de concreto...gosto muito dos seus textos, Paulo!
Obrigada por ter voltado com suas narrativas tão cheias de sensibilidade.
Bj grande também.