Meninos





Era uma sala de espera comum. Mesinha de centro com revistas e jornal. Cadeiras de palhinha e uma TV ligada num canal de documentários – naquele momento era a vez das formigas cortadeiras. Seria uma sala como outra qualquer se não fosse um menino sentado ao lado de sua mãe, divertindo-se com seus brinquedos de plástico.  Bonecos e carrinhos minúsculos passeavam em sua imaginação.

Abri a mochila e tirei um livro que ganhara no Natal passado da amiga Claudia Lemos. Fiquei com o livro na mão sem abri-lo, olhando para a televisão infestada de saúvas. Ouvia o zummmmm do carrinho do menino enquanto sua mãe falava ao celular e a voz melódica e dramática do locutor do documentário. Quase tudo naquela sala era paisagem repetida em minha memória, exceto pelo celular e pelas noticias da primeira página do jornal impecavelmente intacto sobre a mesa de vidro.

Olhei para a cara redonda e vermelha da mãe ao celular, comparei os seus traços com os do menino e por alguns segundos ouvi o locutor falar sobre a vida das cortadeiras: sistema agrícola, mutualismo, praga, devoradoras... Fechei os olhos pelo tempo de uma respiração profunda e esperançosa. Voltei ao livro. O fio da palavra de Bartolomeu Campos de Queirós. Um livro de poucas páginas, mas que me enganara na certeza de lê-lo na sala de espera de uma consulta médica.  Li e reli o primeiro texto:

¨ A vida é um fio,
a memória é seu novelo.
Enrolo - no novelo da memória –
o vivido e o sonhado.
Se desenrolo o novelo da memória,
Não sei se tudo foi real
ou não passou de fantasia. ¨

Voltei a fechar os olhos e fiquei com a escuridão mais tempo que o suspiro.  Só voltando com o ranger da porta e a aparição aflita do menino. Ele levantou a almofada e apanhou uma caixa de madeira escura – possivelmente era onde guardava o seu tesouro de plástico. Sorri com a surpresa do menino; sorri com a surpresa do livro em minhas mãos. Parei nas páginas seguintes com os dois anjos ocupando as duas folhas. Eram dois anjos dormindo.

Voltei pra casa lendo o livro e pensando na tal caixa de madeira. Olhei para o céu acinzentado, típico céu de fim de tarde do mês de março – promessa de tempestade e medo. E antes que eles chegassem, corri até o quarto. Com auxilio de uma escada, recuperei uma antiga caixa de madeira.

Fiquei ali, sentado na cama, olhando para a caixa e lembrando-me do menino.



Paulo Francisco

14 comentários:

Paula Barros disse...

Adoro quando você desenrola o fio da memória. E este fio me enlaça.
Adoro!!!
Putz, o texto, a forma de escrever, me toma de emoção.

Aplausos e beijos para você.

Eliete disse...

obrigado Paulo pela visita e pela oportunidade de rever seus pensamentos. Gostei muito "os meninos".

✿ chica disse...

Encantamento que nos emociona,Paulo! Beleza pura,muito doce te ler! abração,chica

Ivone disse...

Que lindo, sempre me lembro do meu tempo de menina em que pegava os pequenos brinquedos, os que me faziam ir "longe" em minha criatividade, seus textos me levam àqueles tempos!
Abraços apertados amigo querido!

Tunin disse...

Você faz-nos voltar aos tempos passados.
Muito bom!
Abração.

Aparecida Ramos disse...

Sensibilizada, encantada!!! Quando puder.. passa lá. Sequestrei sua obra e publiquei em meu Blog. Espero que goste da surpresa, viu? Você é simplesmente FANTÁSTICO, GENIAL!!! BOM DIA!!! Beijooo

Chris Eldridge disse...

Alguns objetos marcam algumas pessoas para sempre.

SOL da Esteva disse...

As recordações acabam por vir á superfície da Memória viva.É com prazer (e saudade) que damos seguimento a factos que marcaram (e marcam ainda) a nossa infância e juventude.
Parabéns, Paulo.


Abraços


SOL

Dorli disse...

Quantas histórias acumulamos na memória quando realmente nos trouxe algum significado.
Eu adoro escrever contos, tanto reais como de ficção.
Tenho um conto real que ninguém acreditou, diziam que era ficção. Seria bom que fosse, minha vida nunca foi uma ficção.
Obrigada pelo carinho e quanto cantei aquela música que gentilmente me ofertou.
Beijos no coração
Lua Singular

Vanuza Pantaleão disse...

Paulo, querido, estou vendo um filme francês bem em sintonia com o que você acabou de narrar tão bem.
O máximo! Adorei!
Belo fim de semana para ti!
Beijos...

lis disse...

Nossas memórias... sempre aprisionadas numa caixa.
Gostei muito Paulo.

Luma Rosa disse...

Oi, Paulo!
Momentos vividos ou sonhados temperados com a magia tenue de querer reviver momentos em que a felicidade era morada. O que resta é a certeza de ter vivido uma boa fantasia.
Beijus,

ania disse...

Há textos que encantam a gente...o seu me encantou verdadeiramente! Parabéns pela primorosa criação! bjos..

Valeria soares da silva disse...

Muito bom!