Chorão






O Salgueiro-chorão alegrava a minha alma. Vivíamos juntos às árvores – as frutíferas principalmente. Nas ruas do subúrbio do Rio, descansávamos embaixo de amendoeiras; que de quando em vez cismavam em coroar as nossas cabeças com seus frutos.

Alguém sempre dizia:

- Melhor uma amêndoa que uma jaca.

E a garotada ria sem parar. Mas riamos de tudo. Até daquilo que não tinha graça.

Adorávamos escalar em dias quentes as enormes flamboyants que sombreavam as nossas ruas. Mas foi num dia ameno de primavera, aos doze anos de idade, que vi pela primeira vez, um enorme Salgueiro-chorão. E para completar aquela paisagem, ele se debruçava num laguinho artificial repleto de carpas. Meus olhos encheram-se de alegria e de esperança. Foi paixão a primeira vista.  A partir desse dia, sempre que tenho que desenhar uma árvore, é ele que desenho – guardado inteiro em minha cabeça. Lembro-me desse primeiro momento com todas as cores suaves de uma manhã de primavera.

Têm coisas que marcam a nossa vida pra sempre. O chorão foi uma dessas coisas. Foi olhando pra enorme árvore que me veio à sensação de mudança na minha vida. E como mudou.

Mesmo sabendo que não a encontraria mais naquele lugar, pois o seu tempo de vida não ultrapassa trinta anos, não resisti e fui até o local onde a vi pela primeira vez. Ela não mais existia certamente, mas o meu pensamento voltara a encontrá-la numa lembrança que encheu o meu peito de alegria.

Como eu queria que as minhas lembranças fossem somente de coisas alegres. Que as tristes fossem apagadas ou, pelo menos, guardadas numa caixa com um segredo difícil de memorizar.

Eu não sabia que ao encontrá-la a minha vida mudaria. E como mudou. Mas o que seria da vida se tudo fosse virtude? Contrario ao Chorão, tem gente que entristece a alma. Principalmente a minha.

Paulo Francisco


3 comentários:

✿ chica disse...

Um chorão que foi um marco na tua vida! Lindas e até tristes recordações! abração,chica

MARILENE disse...

A natureza sempre nos enche de alegria, ao contrário das pessoas. As lindas lembranças que você manteve desse chorão o acompanharão por toda a vida. Há momentos assim, especiais e únicos. Infelizmente, não apagamos aqueles que gostaríamos de esquecer. Ficam acomodados junto aos demais, contra nossa vontade.
Seu texto ficou encantador, Paulo. Bjs.

Ivone disse...

Que linda lembrança, adoro poder me lembrar dos meus tempos de criança, poder brincar sem medos, livre, e então o seu lindo salgueiro-chorão mudou sua vida, marcou em lembranças lindas.
Amei ler aqui meu amigo Francisco, bela narrativa!
Abraços apertados!