Texto inacabado



Imagem relacionada



Não é querer reviver e muito menos consertar qualquer coisa. É mais que isso; é concluir o que ficou inacabado. Desatar o laço e deixar a fita seguir livre por aí. Um beijo, um abraço, um olhar molhado, um segurar de mãos, um desprender de alma. Qualquer coisa que possa deixar-me livre para uma nova jornada. Na cabeceira de minha cama há pilhas de leituras incompletas. Não é somente querer, é necessidade de vida. Nada de peça faltando no tabuleiro sobre a mesa. O inacabado me sufoca.

Um dia desses, sonhei com você. A angústia me acordou no meio da noite. Levantei com a boca seca e o corpo cansado. Um copo d´água, um espreguiçar fazendo da pedra gelada da bancada da pia, barra de sustentação. Um suspiro profundo e uma porrada de recordações, não me deixaram dormir de novo.  A insônia é minha companheira desde sempre. Enquanto todos dormiam, eu ficava ali de olhos abertos olhando o nada, o negrume era o pano de fundo da minha imaginação. Meus olhos se fechavam com o cantar dos passarinhos.

Quando ouvia a voz de comando para acordar e levantar, porque estava na hora de ir para a escola era um sofrimento só. Sempre invejei aqueles que acordam falando, cantarolando como se a vida fosse uma eterna primavera. Sempre me assustei com aqueles que dormem com as galinhas. Personagem querido era o Drácula que vivia a noite e dormia o dia.

Mas ontem foi diferente, o sonho despertou-me para situações que eu ainda tinha que resolver. Abrir o baú e me desprender. É difícil, eu sei. Principalmente quando o que se está dentro é mais que tudo. Bicho alado não consegue voar em dia de chuva. E, certamente, temporais sempre existiram e existirão por aqui. Em dias alagados, o melhor para se fazer é ficar quieto olhando de cima. E a chuva não está dando trégua.

Não há culpado nesse meu caminho descontínuo. Mas se tem que haver um, então me faço presente. Os inacabados, mesmo os sufocantes, fazem parte da minha história. E se até hoje não os retornei para completar as falhas deixadas na minha linha de tempo, é porque o vazio também faz parte da minha paisagem. A discrepância também faz parte de mim.


Ainda não foi dessa vez. Não houve o beijo nem o abraço, muito menos o olhar molhado e o segurar de mãos. Olhei para a cabeceira e a pilha aumentou. O tabuleiro continua sobre a mesa e a alma, coitada, continua presa à espera da liberdade. A insônia continua sendo minha companheira; o negrume ainda é o pano de fundo da minha imaginação. Mas com uma diferença: hoje eu escrevo, mesmo que sejam textos inacabados. 

9 comentários:

brisonmattos disse...

E como eu gostaria de levantar e buscar a água pra ti. Te servir e te ver bem .
De fato as coisas inacabadas incomodam...E incomodam porque prendem a gente de uma forma estranha. Você quer sair daquilo e não pode, ou não quer.Nem sei mais.
O inacabado deixa a gente se sentindo meio culpado(a), mas como resolver a situação se você não sabe como>>>
Quem vive o inacabado, não vive 100%. Sempre vai aparecer aquela luzinha no final do túnel dizendo...VENHA.
E A GENTE NÃO VAI.
BOM NATAL pra você letrado das letrinhas vazadas e embaralhadas.

brisonmattos disse...

Acho que não foi dessa vez e nem haverá vez alguma.

brisonmattos disse...

o inacabado bem que podia acabar assim pá pá pum, cabô!

Gracita disse...

São tantas os inacabados da vida que acredito nunca terão fim pois irão surgir novos e a lutar por terminá-los será contínua e exaustiva. Um conto maravilhoso
O ano está acabando, mas o orgulho de ter uma amizade como a sua, não. E é com todo carinho que desejo tudo de bom na sua vida e um Natal repleto de alegrias. Que todos seus sonhos se tornem realidade neste e em todos os Natais que ainda virão. Um forte abraço e feliz Natal!

Nelma Ladeira disse...

Os inacabados também me perseguem.
As insônias então... Fico horas pensando como tudo podia ser diferente!! Mas a vida me levou para o lado oposto,mesmo insistindo não consegui. Uma andorinha não faz verão.
Maravilhoso conto Paulo.
Feliz Natal!! Beijos ❤️❤️❤️

Nelma Ladeira disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Menina Marota disse...

Bonito e sensível texto. Gostei de o ler.

Que 2017 acabe em risos e felicidade e que o Novo Ano que vai começar seja o início de felicidade completa.

Um abraço e FELIZ ANO NOVO

Menina Marota disse...

Voltei em busca de mais palavras mas...

Que 2018 esteja a ser completo...

sandra mayworm disse...

Sempre volto na expectativa de que os textos tenham voltado. Só que não...e vejo pelos comentários, pelas datas dos mesmos, que outras pessoas também estão a espera.
Todo o meu carinho e respeito ao seu "tempo".
Amigos a gente não esquece...muitas saudades...esteja bem.
Sandra May