Descoberta


Estávamos numa conversa um tanto quanto, ou seja, numa conversa quase fiada. Era uma conversa melosa, como se tivéssemos os dedos lambuzados de mel. Quando por cargas d´água ela me saiu com essa: ¨Eu não! Eu, eu te aturo!¨ Fiquei tonto, enquanto ela , ria do outro lado. Eu sabia que aquela frase era também um chamego, era a confirmação que há estrelas no céu, sabia que foi um jeito de dizer: ¨Eu te amo apesar de tudo¨. Mas quando tentei entrar no jogo, veio mais uma porrada misturada a gargalhadas: ¨vou contar pra todo mundo a sua ranzinzice.¨ Nem argumentei, mudei de assunto e, depois de algum tempo de conversa cheia de dengos e desejos, nos despedimos.

Fui pra cama e lá comecei a pensar naquelas duas frases. Eu sou, realmente, muito difícil de ser aturado. Posso estar tranquilamente na categoria dos ranzinzas. Sim posso. Ela, mesmo brincando, se é que estava brincando – vai saber!- acertou na mosca – e por duas vezes.

Sim, ela me atura. Atura minhas manias; atura os meus caprichos; atura meu jeito de ficar isolado no escuro. Sou quase um ermitão. Sou um ranzinza.

Ela me atura. Atura este meu lado vacilão que a deixa preocupada por dias sem dá um telefonema para dizer que a dor já passou. Eu sou um insensível. Porque sou um ranzinza.

Ela me atura. Atura as minhas piadas sem graças que eu insisto em contar, como se fossem inéditas. E ela sorri. Porque se não sorri vai ficar ranzinza. E isto ela não quer.

Ela me atura. Atura a minha mania de dizer sempre adeus na hora que tudo esta ficando tão bom. Sou um chato, ou melhor, ranzinza nato.

Ela me atura. Atura as minhas indecisões, as minhas oscilações de humor – uma hora alegre demais, outra hora sério demais. Ranzinza? Acho que sim

Ela me atura.

Elas me aturam.

- Menino! Você reclama de tudo. Parece velho! Eu hein! Era a minha mãe me repreendendo das minhas ranzinzices – e eu só tinha dez anos de idade. Eu sou um ranzinza. Acho que nasci ranzinza, vou morrer ranzinza.

Que droga! É por isso que o meu filho faz caras e bocas na hora em que estou tentando mostrar alguma coisa que ele tenha feito de errado. Ele deve me achar o cara mais ranzinza do mundo.

Ontem eu fui à casa de minha amiga Valéria – era aniversário dela – e, ao voltarmos pra casa, meu afilhado Rogério me disse:

- Dindo, deixe de ser ranzinza, entre no carro e vamos embora!¨

Putz! Ferrou!



Paulo Francisco

4 comentários:

✿ chica disse...

rsssss...Acho que depois disso, tá sacramentado o ranzinza.Basta assumir,rs abração,chica

nelma ladeira disse...

Oi Paulo,gostei muito do texto!
Ele alegrou o dia.
Mas do jeito que escreve,combina mesmo com você! Todo atrapalhado,e ranzinza.
Coitada das mulheres né!Olha o que temos que aturar...Garanto que vocês homens não aturam.Já ia esquecendo: Fora o esquecimento,quando á idade vai chegando rsrsrs.
Bom dia,beijinhos.

Pérola disse...

A vida em pequenas histórias.

Beijo

Ivone disse...

Ai, foi a gota d`água,não tem mais jeito, rsrs se convença que és ranzinza!
Mas acredito que és um ranzinza amado!
Abraços!