Esperança


Resultado de imagem para hippie van wallpaper



Flower power. Acho que temos que começar a florir as nossas vidas novamente. Mas sem LSD, por favor! Hoje, psicotrópicos não combinam com a não-violência – estamos no século vinte e um. Que me perdoem os influenciados pelo poeta Allen Ginsber, mas se drogar não está com nada. Prefiro as sacadas floridas do Ziraldo, o poder das flores do Vandré e as rosas do Cartola.

Eu acredito no poder das flores.

Temos que florir e perfumar algumas cabeças que teimam em pensar somente no mal. Incensá-las com cheiro bom é mais que necessário, é vital. Chega de teorias de conspirações! Chega de transformar os mais ingênuos em massa de manobra para poderes escusos. Sejamos mais conscientes sem perder a alegria. Alegria que está no nosso DNA. A alegria só incomoda ao mal - amado. Quero mais textos e poesias de amor. Mas, por favor, sem a demagogia de uns e outros, que aparecem de bons moços, mas que na verdade não merecem o nosso respeito. Basta de violência aos mais frágeis. Que termine logo essa guerra de gênero. Um ípsilon não pode ser mais que um xis, ou vice versa.

Eu também acredito no poder das cores. Quando ela chegava com uma blusa colorida, estampada ou não, era sinal que estava tudo bem. Se abrisse um sorriso então, a noite foi boa e o nosso dia seria melhor ainda.  Agora, corra pra bem longe se o modelo apresentado fosse preto da cabeça aos pés. A bruxa estava solta e o melhor é não dizer nada. Contrariá-la era suicídio. O melhor era ficar em silêncio, na esperança de um amanhã mais colorido.

Flores e cores. Combinação perfeita para um dia bom. E que as cores de abril de Vinicius de Moraes estejam todos os dias e em todas as estações e principalmente em nossos corações.




A namorada

Resultado de imagem para girassóis


Ela estava ali para ser admirada. Impossível não notá-la. Meus olhos brilhavam ao vê-la debruçada no muro de concreto. Sentia uma imensa vontade de contravir; de tirá-la de cima daquele muro frio e levá-la direto pra casa. Mas o que diria, quando me perguntassem onde a encontrei? Diria que infringi a norma da casa e a roubei do vizinho?  Não, não seria honesto com o vizinho e muito menos com quem me educava.  Então, passei a admirá-la mais de perto. Escalava o muro e a cheirava profundamente. Nunca uma rosa branca fora tão perfumada. O dono da casa e da rosa descobriu-me e acabou virando meu amigo. Contou-me a história da roseira – uma história mais linda que a flor.

Admiro aqueles que conseguem cultivar flores, que as tratam com carinho, doando seu tempo para mantê-las vivas e fortes. Uns dizem que é dom, outros dizem que é técnica. Prefiro dizer que são ambos misturados com amor. Acredito que sejam pessoas apaixonadas pela cor e pelo perfume delas, pessoas pacientes e sonhadoras. Não estou aqui enaltecendo os paisagistas – estes são profissionais. Estou me referindo aos domésticos que fazem o que fazem por hobby, os jardineiros amadores que fazem de um lugar monocromático um lugar perfumado e colorido. Um lugar todo deles.

De repente o terreno baldio ficou coberto por girassóis.  Sempre passava pela rua e reparava aquele lugar jogado, cheio de entulho e mato alto.  Mas alguém teve a delicadeza de limpá-lo e flori-lo com girassóis – os passarinhos agradeceram. O verão ficou mais florido.

Nunca fui bom em plantio. Não pela bobagem de ter ou não ter mão boa para isso. Mas pela falta de paciência, dedicação e técnica. Gosto do imediato, do agora. Não sei esperar.

Ela não estava ali somente para ser admirada. Meus olhos brilharam quando a vi pela primeira vez.  Senti uma imensa vontade de tê-la, de levá-la imediatamente comigo. Mas ela era mais que uma Rosa debruçada num muro de concreto. Levei-a comigo em meu coração. Desejo secretamente aflorado em arrepios e calafrios.  Não por muito tempo. Pois, depois de alguns encontros e desencontros, ficamos juntos fazendo história por uma estação.